VIOLENCE AGAINST CHILDREN IN BRAZIL AND CHILD SUFFERING: A PSYCHOLOGICAL OUTLOOK

Main Article Content

Marcus Levi Lopes Barbosa
Denise Regina Quaresma da Silva
Fernanda da Silva Amaral

Abstract

Violence against children is a subject of wide-ranging discussion, which has been gradually taking up more space over the years both in academia and in the media. This qualitative study deals with a literature review of some of the most recurrent forms of violence experienced in childhood: sexual exploitation and abuse, psychological violence, neglect and physical violence. In continuity, we present some possible causes of violence against children, and in conclusion, we point out the consequences of the abuse endured while in childhood. These situations of family violence perpetrated during childhood create afflictions in children and are the origin of childhood and teenage psychopathologies which often remain throughout adult life. Children become psychically ill due to the violence they suffer or witness within the family, seeing as what should be their safe space becomes the captivity in which they must live with the tormentors whom they support, since they are children.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Barbosa, M. L. L., Quaresma da Silva, D. R., & Amaral, F. da S. (2019). VIOLENCE AGAINST CHILDREN IN BRAZIL AND CHILD SUFFERING: : A PSYCHOLOGICAL OUTLOOK . International Journal for Innovation Education and Research, 7(7), 01-15. https://doi.org/10.31686/ijier.Vol7.Iss7.1546
Section
Articles

References

[1] BRASIL. Lei 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília: Casa Civil, 1990. Disponível em: . Acesso em: 16 set. 2017.

[2] BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências: orientação para gestores e profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

[3] BRITO, Leila; AYRES, Lygia; AMENDOLA, Marcia. A escuta de crianças no sistema de justiça. Psicologia Social, Porto Alegre, v. 18, n. 3, p.68-73, dez. 2006. Disponível em: . Acesso em: 14 Out. 2013.

[4] FERREIRA, José Paulo. Pediatria: diagnóstico e tratamento. Porto Alegre: Artmed, 2005. 983 p.

[5] FURNISS, Tilman. Abuso sexual da criança: Uma abordagem multidisciplinar, manejo, terapia e intervenção legal integrados. Porto Alegre: Artes Médicas, 2002.

[6] GAVA, Lara Lages; PELISOLI, Cátula; DELL’AGLIO, Débora Dalbosco. A perícia psicológica em casos de suspeita de abuso sexual infanto-juvenil. Avaliação Psicológica, Porto Alegre, v. 12, n. 2, p. 137-145, 2013.

[7] HABIGZANG, Luísa Fernanda et al. Avaliação psicológica em casos de abuso sexual na infância e adolescência. Psicologia: reflexão e crítica, Porto Alegre, v. 21, n. 2, p. 338-344, 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2013.

[8] HOLMES, David. Psicologia dos transtornos mentais. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997. 565p.

[9] KRUG, Etienne G. et al (org.). Relatório Mundial sobre Violência e Saúde. Geneva: World Health Organization, 2002. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2018.

[10] LOPEZ, Fabio Ancona; CAMPOS Jr., Dioclécio (Org.). Tratado de Pediatria: Sociedade Brasileira de Pediatria. 2. ed. Barueri, SP: Manole, 2010.

[11] MACIEL, Saydi Karolin. Repercussões psicológicas em crianças vítimas de violência familiar. 2011. 167 f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Florianópolis, 2011. Disponível em . Acesso em: 13 out. 2013.

[12] MANUAL diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-IV-TR. Porto Alegre, RS: Artmed, 2007.

[13] MARKHAM, Ursula. Traumas de infância: esclarecendo suas dúvidas. São Paulo: Ágora, 2000.

[14] MARTINS, Gilberto de Andrade; THEÓPHILO, Carlos Renato. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

[15] MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, 2013. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Prevenção do uso de drogas: capacitação para conselheiros e lideranças comunitárias. 5. ed. Brasília: SENAD, p. 394.

[16] NATIONAL HUMAN RIGHTS OMBUDSMAN'S REPORT (2017). Balanço Anual. Disponível em https://www.mdh.gov.br/informacao-ao-cidadao/ouvidoria/dados-disque-100/ relatorio-balanco-digital.pdf. Acesso em: 20 dez 2018.

[17] PASIAN, Mara Silvia et al. Negligência infantil: a modalidade mais recorrente de maus-tratos. Pensando famílias, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 61-70, 2013. Disponível em: . Acesso em: 03 nov. 2014.

[18] PELISOLI, Cátula et al. Violência sexual contra crianças e adolescentes: dados de um serviço de referência. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 18, n. 1, p. 85 – 97, 2010. Disponível em: Acesso em: 17 set. 2013.

[19] PRIORE, Mary del (Org.). História da criança no Brasil. 2. ed. São Paulo: Contexto, 1992.

[20] PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo, RS: Feevale, 2013. 276 p.

[21] SANTOS, Benedito Rodrigues do et al. Guia escolar: Métodos da identificação de sinais de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos e Ministério da Educação, 2004. 163 p. Disponível em: Acesso em: 24 ago. 2013.

[22] SUKIENNIK, Paulo Berél (Org.) O Aluno Problema. 2. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 2000.

[23] TRINDADE, Jorge; BREIER, Ricardo. Pedofilia: aspectos psicológicos e penais. 2.ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2010. 142 p.

[24] WILHELM, Fernanda Ax; AGOSTINI, Marcelo A. Negligência contra crianças: percepção das instituições de proteção e cuidados “Escola, Conselho Tutelar e Família) sobre sua atuação frente a este tipo de violência. Caminhos: Revista on-line de divulgação científica da UNIDAVI - “Dossiê Humanidades”, Rio do Sul, SC, v.2, n.2, p. 9-23, jan./mar. 2011.