Non-formal education: Development and learning

Main Article Content

Marjorie Cristina da Cruz Bernardino
Cristina Schmidt Porteró
Vinicius Freitas

Abstract

It is proposed to study the learning and contribution of the social educator to human formation and its regulation as a professional of the educational area. It is a study of non-formal education and the role of the social educator, as well as its relationship with public educational policies and socio-cultural phenomena. It is based on the epistemological perspective on education (FREIRE, 1983; GADOTTI, 2005; GOHN, 2003, 2005, 2009; LIBÂNEO, 2012). It is an exploratory and descriptive research, of qualitative approach, according to socio-cultural studies, evaluation of public policies; Analysis and description of actions of education. The aim is to verify the extent of public policies to promote dignity in social and ethnic minorities, at national level, in addition to their participation in the emancipation of the individual and the promotion of the quality of life and human dignity.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Bernardino, M. C. da C., Porteró, C. S., & Freitas, V. (2019). Non-formal education: Development and learning. International Journal of Innovation Education and Research, 7(3), 129-140. https://doi.org/10.31686/ijier.Vol7.Iss3.1360
Section
Articles

References

APP-SINDICATO. Entrevista: a regulamentação da profissão de Educador Social. 26 de Maio de 2014. Disponível em: < http://appsindicato.org.br/?p=5238/> Acessado em: 15/05/2018.
BARBOSA, A. O mundo globalizado: política, sociedade e economia. 2ed. São Paulo: Contexto, 2003.
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p
BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 5346/2009. Visa à criação da profissão do Educador e Educadora Social no Brasil. Disponível em:< http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1575957&filename=Parecer-CCJC-05-07-2017>. Acesso em: 15 de abril de 2018.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação nacional. Lei 9.394/96, de 20 dez. 1996. Brasília, DF. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/l9394.htm. Acesso em: 28 de maio de 2018.
COSTA, C. Sociologia: introdução à ciência da sociedade. 3 eds. São Paulo: Moderna, 2005.
GADOTTI, Moacir. A questão da educação formal/não-formal. Droit à l’education: solution à tous les problèmes sans solution? Institut International des droits de l’enfant, Sion, 2005.
GOHN, M. G. Educação não-formal, educador(a) social e projetos sociais de inclusão social. V.1, n.1, p. 28-43. Meta: Avaliação. Rio de Janeiro, 2009.
____________. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ., Rio de Janeiro, v.14, n.50, p. 27-38, jan./mar. 2006
____________. Educação não-formal e cultura política. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2005.
____________. Movimentos sociais e educação. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2003.
____________. Teoria dos movimentos sociais paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Loyola, 1997
LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 24. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.
LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos, para quê? 12. Ed. São Paulo: Cortez, 2012.
MEKSENAS, P. Sociologia. 2 eds. São Paulo: Cortez, 1993.
PIAGET, J. O juízo moral da criança. São Paulo: Summus, 1994.
_________. Estudos Sociológicos. Rio de Janeiro: Forense, 1973
VYGOTSKY, L.S. Teoria e método em psicologia. São Paulo: Martins Fontes, 1996.
WILLIAMS, Raymond. Um vocabulário de cultura e sociedade. Tradução de Sandra Guardini Vasconcelos. São Paulo: Boitempo, 2007.