Negligence and invisibility: perceptions on obesity in the school context

Main Article Content

Denise Bolzan Berlese, PhD
Gustavo Roese Sanfelice
Daiane Bolzan Berlse, PhD
André Luiz dos Santos Silva, PhD
Valéria Zanetto Ney, PhD
Jacinta Sidegun Renner, PhD

Abstract

The aim of this study was to investigate how it manifests obesity in the school context. The study included 21 obese and 10 directors. Research instruments used were semi-structured interviews with adolescents and questionnaire with the directors. The results show that there is little dialogue between the families of obese and school; the directors are unaware of the treatments performed for obesity by his students, directors attribute the responsibility of feeding the nutritionist at the Department of Education; bullying was presented as a factor in the school context as well, obesity is not regarded as a disease or as a factor of social exclusion, the educators also disclaim any responsibility or interference in this matter. Finally, it appears that obese adolescents are neglected in the context studied.

Downloads

Download data is not yet available.

Metrics

Metrics Loading ...

Article Details

How to Cite
Bolzan Berlese, D., Roese Sanfelice, G., Bolzan Berlse, D., dos Santos Silva, A. L., Zanetto Ney, V., & Sidegun Renner, J. (2019). Negligence and invisibility: perceptions on obesity in the school context. International Journal of Innovation Education and Research, 7(2), 181-191. https://doi.org/10.31686/ijier.Vol7.Iss2.1338
Section
Articles
Author Biographies

Denise Bolzan Berlese, PhD, Feevale University

PhD in Cultural Diversity and Social Inclusion from Feevale University

Daiane Bolzan Berlse, PhD, Feevale University

PhD in Biochemistry and Toxicology at UFSM

André Luiz dos Santos Silva, PhD, Feevale University

PhD in Human Movement Science at UFRGS. Postdoctoral studies in Education by UFRGS

Jacinta Sidegun Renner, PhD, Feevale University

PhD in Production Engineering at UFRGS

References

References
1. Vinholes DB, Assunção MCF, Neutzling, MB. (2009). Frequência de hábitos saudáveis de alimentação medidos a partir dos 10 Passos da Alimentação Saudável do Ministério da Saúde. Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 25(4):791-799, abr.
2. Monteiro, C. (2010). O aumento da obesidade. Jornal O Globo. Rio de Janeiro, 28 de agosto.
3. Cesar M.R de Assis. (2004). Da escola disciplinar à pedagogia do controle. (Tese de Doutorado). UNICAMP, São Paulo.
4. Lanes kG, Lanes D,. Vinícius C, Puntel RL, Soares F, Alexandre A, Folmer V. (2010/2011). Sobrepeso e obesidade: implicações e alternativas no contexto escolar. Revista ciências&ideias, 3(1), Set/Abr.
5. Mohr A, Schall V. (1992). Rumos da Educação em Saúde no Brasil e sua Relação com a Educação Ambiental. Cad. Saúde Públ., Rio de Janeiro, 8(2):199-203, abr/jun.1992
6. Cesar MR de Assis, Duarte A. Governo dos Corpos e Escola Contemporânea: pedagogia do fitness. Educação e realidade, 34(2):119-134, Mai/Ago. 2009.
7. Soares, C.L. (2006). Pedagogias do corpo: higiene, ginástica, esporte. In: Rago M, Veiga-Neto A. Figuras de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica. pp. 75-85.
8. Brasil (2013). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Conselho Nacional da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI.
9. Ortega, F. (2008). O corpo incerto: corporeidade, tecnologias médicas e cultura contemporânea. Rio de Janeiro: Garamond.
10. Domene, S.M.A. (2008). A escola como ambiente de promoção da saúde e educação nutricional. PSICOLOGIA USP, São Paulo, 19(4):505-517, Out/Dez.
11. Danelon MA, Danelon MS, Silva MV. (2006). Serviços de alimentação destinados ao público escolar: análise da convivência do Programa de Alimentação Escolar e das cantinas. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, 13(1):85-94.
12. Cesar, MR de Assis. (2007). Corpo, Escola, Biopolítica e a Arte como Resistência. Temas & Matizes, 11.
13. Duncan BB, Chor D, AquinoE, Bensenor I, Mill JG, et al. (2012). Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev Saúde Pública, 46(Supl):126-34.
14. IPEA. (2009). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasil em desenvolvimento: Estado, planejamento e políticas públicas. Brasília: IPEA.
15. Gonçalves F, Denardin C, Ana MF, Vieira NFC, et al. (2008). Health promotion in primary school. Interface Comum Saúde Educ., 12:181-92.
16. Moura DR, Cruz ACN, Quevedo LA. (2011). Prevalência e características de escolares vítimas de bullying. J Pediatr., 87(1), Fev.
17. Rodrigues G. de C. (2012). Bullying nas escolas e o horror a massacres pontuais. Ponto-e-vírgula, 11:10-21.
18. Mattos RS, Luz MT. (2009). Sobrevivendo ao Estigma da Gordura: um estudo socioantropológico sobre obesidade. Physis., 19(2).
19. Almeida KL, Silva AC, Campos JS. (2008). Importância da identificação precoce da ocorrência do bullying: uma revisão de literature. Revista de Pediatria, 9(1):8-16, jan. /jun.
20. Dessen MA, Polonia AC. (2007). A Família e a Escola como contextos de desenvolvimento humano. Paidéia, 17(36):21-32.
21. Carneiro H. (2003). Comida e Sociedade. São Paulo: Campus.
22. Marques R. (1996). O envolvimento das famílias no processo educativo: Resultados de um estudo em cinco países. Recuperado de: http://www.eses.pt/usr/Ramiro/Texto.htm.
23. Mascarenhas JMO, Santo JC. (2006). Avaliação da composição nutricional dos cardápios e custos da alimentação escolar da rede municipal de conceição do Jacuípe/ BA. Sitientibus, Feira de Santana, 35:75-90, jul. /Dez. Recuperado de: Acesso em: 17 mar. 2015.