Information and Communication Technologies in University Libraries

Relevance for Users with Disabilities

Authors

DOI:

https://doi.org/10.31686/ijier.vol9.iss9.3408

Keywords:

digital and assistive technologies, university library, people with disabilities, accessibility

Abstract

Digital and assistive technologies are of great relevance to the social, educational, and professional inclusion of persons with disabilities. Within this context, we aim to describe the relevance of information and communication technologies for persons with disabilities in the context of university libraries. Data were collected through a bibliographical research based on secondary sources, namely books, journal articles and other reference materials in the area investigated. The obtained results revealed that although resources such as digital and assistive technologies are available in the market to improve the user experience of persons with disabilities, most university libraries are still lacking several of these resources to supply these users’ information demands. Even with laws ensuring the right to full accessibility, several higher education institutions are still omissive in this regard, leaving their students with disabilities on the margins of the learning process through the support of the university library. On this matter, we emphasize that university libraries must develop their abilities aiming to promote informational and communicational access to users with disabilities using digital and assistive technologies.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Larissa Verônica Moreira Ribeiro, Federal University of Maranhão

Master’s student in Culture and Society through the Graduate Program, Interdisciplinary Master’s (PGCULT) of Universidade Federal do Maranhão, Maranhão, Brazil.

Thelma Helena Costa Chahini, Federal University of Maranhão

PhD in Education with a Post-doctorate in Special Education. Associate Professor

References

Almeida, W. G. (Org.). (2015). Educação de surdos: formação, estratégias e prática docente. Editus. DOI: https://doi.org/10.7476/9788574554457

Boccato, V. R. C. (2006). Metodologia da pesquisa bibliográfica na área odontológica e o artigo científico como forma de comunicação. Revista de Odontologia da Universidade da Cidade São Paulo, 18(3), 265-274.

Cunha, M. B. (2000). Construindo o futuro: a biblioteca universitária brasileira em 2010. Ciência da Informação, 29(1), 71-89. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-19652000000100008

Cysne, F. P. (1993). Biblioteconomia: dimensão social e educativa. EUFC.

Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. (1999, 21 de dezembro). Regulamenta a Lei nº 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a política nacional para a integração da pessoa portadora de deficiência, consolida normas de proteção, e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção 1. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3298.htm.

Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004. (2004, 3 de dezembro). Regulamenta as Leis nos10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção 1. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5296.htm.

Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. (2005, 23 de dezembro). Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, seção 1. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm.

Garcia, M. F., Rabelo, D. F., Silva D., & Amaral, S. F. (2012). Novas competências docentes frente às tecnologias digitais interativas. Teoria e Prática da Educação, 14(1), 79-87.

Hutchinson, O. (2018). Quatro dúvidas sobre pesquisa primária e secundária. https://blog.euromonitor.com/quatro-duvidas-sobre-pesquisa-primaria-secundaria/.

International Federation of Library Associations. (1999, 25 de março). Declaração da IFLA sobre as bibliotecas e a liberdade intelectual. Ifla. https://www.ifla.org/files/assets/faife/statements/iflastat_pt.pdf.

Kenski, V. M. (2012). Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação (8ª ed.). Papirus.

Miglioli, S., & Santos, G. A. (2017). Acessibilidade e serviços inclusivos para minorias sociais: a Biblioteca do Instituto Nacional de Educação de Surdos. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, 22(1), 136-149. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6483181. DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-0695.2017v12n2.37016

Ministério da Educação. (2000). Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio. Ministério da Educação. http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/14_24.pdf.

Nascimento, F. A. A. A. C. (2006). Educação infantil: saberes e práticas da inclusão: dificuldades de comunicação e sinalização: surdocegueira/múltipla deficiência sensorial (4ª ed.). MEC/Secretaria de Educação Especial. http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/surdosegueira.pdf.

Portaria nº 3.284, de 7 de novembro de 2003. (2003, 11 de novembro). Dispõe sobre requisitos de acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências, para instruir os processos de autorização. Diário Oficial da União, seção 1. http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/port3284.pdf.

Reyes, D. A. (2004). La sordoceguera: undiscapacidad singular. In P. Viñas, & E. Rey. (Coords.). Lasordocegueira: um analisis multidisciplinar (pp. 135-159). Once.

Rossetto, E., Iacono, J. P., & Zanetti, P. S. (2006). Pessoa com deficiência: caracterização e formas de relacionamento. In: Programa Institucional de Ações Relativas às Pessoas com Necessidades Especiais (Org.). Pessoa com deficiência: aspectos teóricos e práticos. Edunioeste.

Samaniego, M. V. P., & Muñoz, A. R. (2004). Família y sordoceguera. In D. A. Reyes (Org.). La sordeceguera: un análise multidisciplinar (pp. 365-412). Once.

Sassaki, R. K. (2019). As sete dimensões da acessibilidade. Larvatus Prodeo.

Secretaria Especial de Direitos Humanos. (2009). Tecnologia assistiva. Corde.

Souza, S. C., & Manoel, V. A. (2008). Praticando acessibilidade comunicacional: cooperação entre biblioteca universitária e programa de promoção de acessibilidade. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, 13(1), 7-17.

Tesch, A. O. A. (2015). Formação de professores: tecnologia educacional para o aluno deficiente visual [Dissertação de mestrado, Instituto da Educação da Universidade de Lisboa]. https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/23959/1/ulfpie051072_tm.pdf.

Torres, E. F., Mazzoni, A. A., & Alves, J. B. M. (2002). A acessibilidade à informação no espaço digital. Ciência da Informação, 31(3), 83-91. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-19652002000300009

Vieira, M. O., & Farias, D. S. (2017, 28 de agosto). Tecnologia assistiva e educação: a importância da formação continuada de professores das salas de recursos multifuncionais [Anais]. Congresso Nacional de Educação. https://www.google.com/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=&ved=2ahUKEwjM0omWmJPrAhUvHbkGHWKBBk0QFjADegQIBBAB&url=http%3A%2F%2Feducere.bruc.com.br%2Farquivo%2Fpdf2017%2F23794_12363.pdf&usg=AOvVaw0O7etLh-aQaCOC_5VCk2MZ.

Yamane, A. (2017). Orthotic prescription. In J. Webster, & D. Murphy. Atlas of orthoses and assistive devices (pp. 2-6). Elsevier Health Sciences. https://books.google.com.br/books?id=6RNBDwAAQBAJ&printsec=frontcover&hl=pt-BR&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false. DOI: https://doi.org/10.1016/B978-0-323-48323-0.00001-9

Downloads

Published

01-09-2021

How to Cite

Ribeiro, L. V. M., & Chahini, T. H. C. (2021). Information and Communication Technologies in University Libraries: Relevance for Users with Disabilities. International Journal for Innovation Education and Research, 9(9), 701–711. https://doi.org/10.31686/ijier.vol9.iss9.3408