The EMERGENCE OF QUILOMBOLAS MOVEMENT OF MARANHÃO (MOQUIBOM)

notes on identity, territory, and memory

Authors

DOI:

https://doi.org/10.31686/ijier.vol9.iss9.3377

Keywords:

Quilombolas Movement, Baixada Maranhense, Territory, Identity

Abstract

This article aims to analyze the context of emergency of the Quilombolas Movement of Maranhão (Movimento Quilombola Maranhense - MOQUIBOM), in the middle of 2010, the politicization of identities, the processes of triggering the memory sustained on ancestrality, and territorial reconfigurations, which were provoked on quilombolas communities of Baixada Maranhense due to its geographical formation. This research is an investigation of qualitative approach with descriptive and exploratory goals made through bibliographic and documental studies. The theoretical contributions of Hall (2006), Halbwachs (1990), Raffestin (1993), Santos (1999), Sousa (2016), Araújo (2012), among others, allowed us to infer that the political fronts of MOQUIBOM act on the resignification of their identities, starting with the mobilization of their ancestrality with the intent of politicize their daily experiences, the construction of dignified conditions for social propagation, and the defense of their territories through the tensioning of the State for the assurance of public policies.

Downloads

Download data is not yet available.

References

A. Acosta. “O Bem Viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos”. São Paulo: Autonomia Literária/Editora Elefante, 2016. DOI: https://doi.org/10.7476/9788578794880.0006

A. C. Gil. “Como elaborar projetos de pesquisa”. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

A. Nascimento. “O Quilombismo”. São Paulo: Editora Perspectiva, Rio de Janiero: Ipeafro, 2019.

A. W. B. Almeida; PEREIRA, Deborah Duprat de Britto. As populações remanescentes de quilombos: direitos do passado ou garantia para o futuro? Seminário Internacional – As Minorias e o Direito. CJF: 2003. v. 24. Série Cadernos do CEJ.

B. M. Fernandes. “Sobre a tipologia de territórios”. In: SAQUET, Marcos Aurélio; SPOSITO, Eliseu Savério (Orgs.). Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. São Paulo: Expressão popular, 2009. p. 197-215.

Brasil. [Constituição (1988)]. “Constituição da República Federativa do Brasil”. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2016.

Brasil. “Decreto 4.887 de 20 de novembro de 2003”. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades de quilombos de que trata o art. 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Brasília, DF, 2003.

C. Moura. “Quilombos: resistência ao escravismo”. São Paulo: Editora Ática, 1987.

C. Raffestin. “Por uma geografia do poder”. São Paulo: Ática, 1993.

D. D. Araújo. “‘Aê meu pai Quilombo, eu também sou quilombola’: o processo de construção identitária em Rio Grande-Maranhão”. 2012. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2012.

F. S. Gomes. “Mocambos e Quilombos”: uma história do campesinato negro no Brasil. São Paulo: Claro Enigma, 2015.

I. T. S. Souza. “Processos de Mobilização Quilombola: a ACONERUQ e o MOQUIBOM no Maranhão”. 2016. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 2016.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; IMESC – Instituto Maranhense de ESTUDOS Socieconômicos e Cartográficos. “Enciclopédia dos Municípios Maranhenses”: Microrregião da Baixada Maranhense. vol. 2. São Luís: IMESC, 2013.

J. M. Arruti. “Mocambo: antropologia e história do processo de formação quilombola”. Bauru, SP: Edusc, 2006.

M. Halbwachs. “A Memória Coletiva”. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1990.

M. L. S. Furtado. “Aquilombamento no Maranhão”: um Rio Grande de (im) possibilidades. 2012. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2012.

M. Santos. “Metamorfoses do Espaço Habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da geografia”. 6. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2014.

M. Santos. “O Dinheiro e o Território”. Universidade de São Paulo- USP. GEOgraphia. São Paulo: [s.n.], 1999. ano. 1, n. 1.

S. C. C. Leite. “Centro de cultura negra no Maranhão”. Caderno de Pesquisas da Fundação Carlos Chagas. São Paulo: [s.n.], 1987. v. 63, p. 110-112.

S. Hall. “A identidade cultural na pós-modernidade”. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

Downloads

Published

01-09-2021

How to Cite

Rodrigues Reis, J. F., Bandeira, A. M., Oliveira, A. C. A., Deursen, M. A. P. O. V., & Chaves, G. J. de S. (2021). The EMERGENCE OF QUILOMBOLAS MOVEMENT OF MARANHÃO (MOQUIBOM): notes on identity, territory, and memory. International Journal for Innovation Education and Research, 9(9), 459–470. https://doi.org/10.31686/ijier.vol9.iss9.3377