A Work Ability Assessment in Nursing Workers

Authors

DOI:

https://doi.org/10.31686/ijier.vol9.iss7.3249

Keywords:

Nursing team, Workload, Work Capacity Evaluation, Occupational Health, Working conditions

Abstract

Objective: To identify the nursing staff of a university hospital's work ability index and point out which factors interfere in the quality of the work of these workers. Method: This is a cross-sectional, descriptive and analytical survey, quantitative, composed of 54 nursing professionals from the medical clinic ward sector of a large hospital in Uberlândia (Minas Gerais, Brazil). Data collection is performed using two tools: sociodemographic questionnaire and Work Ability Index (WAI). The G-Test by Williams was applied to assess the significant association between sociodemographic and occupational variables and those related to the work ability index. It was used the BioEstat® version 5.3 program to perform all analyzes with a significance level of 0.05 (5%). Results: The research showed that nursing professionals had a predominance of good workability (40,7%), the prevalence of young adults, the highest percentage between 31-40 years, 81,5% are women, 50% are in a marital relationship, 63% are open to public tender, and they had no back injuries. It was also found that the only professionals who had a low work capacity were nursing technicians, corresponding to 5,6% of the total percentage. Conclusion: It is known that a hospital environment is a place that favors the illness process of nursing workers. The worker who owns and maintains adequate physical and mental health can perform his duties better and have a better capacity for work, therefore taking better care of the patient.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biography

Rosuita Frattari Bonito, Federal University of Uberlândia

Programa de Pós-graduação Mestrado Profissional em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador

References

Beck, C. L. C. et al. (2006). O trabalho da enfermagem em unidades críticas e sua repercussão sobre a saúde dos trabalhadores. Escola Anna Nery, 10 (2), pp. 221-227. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-81452006000200008&script=sci_arttext. Acesso em: 19 ago. 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-81452006000200008

Rodrigues, D. D. M. et al. (2019). Avaliação da capacidade para o trabalho da equipe de enfermagem que atua em um hospital de grande porte na região do Triângulo Mineiro–MG. Rev. Mineira de Enferma., 23, pp. 1-10. Disponível em: https://cdn.publisher.gn1.link/reme.org.br/pdf/e1260.pdf Acesso em: 20 jan. 2020.

Martinez, M. C., Latorre, M. do R. D. de O., & Fischer, F. M. (2009). Validity and reliability of the Brazilian version of the Work Ability Index questionnaire. Rev. de saúde pública, 43 (3), pp. 525-532. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102009000300017&script=sci_arttext Acesso em: 18 maio 2018.

Hilleshein, E. F. et al. (2011). Capacidade para o trabalho de enfermeiros de um hospital universitário. Rev. Gaúcha de Enferm., 32 (3), pp. 509-515. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-14472011000300011&script=sci_arttext Acesso em: 15 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S1983-14472011000300011

Tuomi K. et al. (2010). Índice de capacidade para o trabalho. EDUFSCAR.

Tuomi K. et al. (2005). Índice de capacidade para o trabalho. EDUFSCAR.

Vasconcelos, S. P. et al. (2011). Fatores associados à capacidade para o trabalho e percepção de fadiga em trabalhadores de enfermagem da Amazônia Ocidental. Rev. Bras. de Epidem., 14, p. 688-697. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/rbepid/2011.v14n4/688-697/pt Acesso em: 20 jun. 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-790X2011000400015

Magnago, T. S. B. de S. et al. (2013). Avaliação da capacidade para o trabalho dos trabalhadores de enfermagem de pronto-socorro. Rev. Elet.de Enferm., 15 (2), pp. 523-32. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fen/article/view/15344/14836. Acesso em 20 out. 2019. DOI: https://doi.org/10.5216/ree.v15i2.15344

Queiroz, D. L. de, & Souza, J. C. (2012). Qualidade de vida e capacidade para o trabalho de profissionais de enfermagem. Psicólogo informação, 16 (16), pp. 103-126. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-metodista/index.php/PINFOR/article/view/3999/3478. Acesso em: 10 set. 2019. DOI: https://doi.org/10.15603/2176-0969/pi.v16n16p103-126

Organização Internacional do Trabalho (OIT). (2008). Maternidade segura e o mundo do trabalho. Disponível em https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---europe/---ro-geneva/---ilo-lisbon/documents/genericdocument/wcms_665541.pdf. Acesso em: 10 fev. 2020.

Hospital de Clínicas de Uberlândia da Universidade Federal de Uberlândia. (2019). Informações gerais. Disponível em: https://www.hc.ufu.br/ Acesso: 15 jun. 2019.

Tuomi, K. et al. (1997). Índice de Capacidade para o trabalho. Instituto de Saúde Ocupacional, Finlândia.

Cossi, M. S. et al. (2015). A capacidade para o trabalho da equipe de enfermagem inserida no ambiente hospitalar. Rev. de Atenção à Saúde, 13 (43). Disponível em: https://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_ciencias_saude/article/view/2676/pdf_1 Acesso em: 10 out. 2020. DOI: https://doi.org/10.13037/rbcs.vol13n43.2676

Hilleshein, E. F., & Lautert, L. (2012). Capacidade para o trabalho, características sociodemográficas e laborais de enfermeiros de um hospital universitário. Rev. Latino-Americana de Enferm., 20 (3), pp. 520-527. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rlae/v20n3/pt_a13v20n3.pdf. Acesso em: 20 jun. 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-11692012000300013

Magnago, T. S. B. de S. et al. (2012). Intensidade da dor musculoesquelética e a (in) capacidade para o trabalho na enfermagem. Rev. Latino-Americana de Enferm., 20 (6), pp. 1125-1133. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rlae/article/view/52910/56869 Acesso em: 20 out. 2019.

Elias, M. A., & Navarro, V. L. (2006). A relação entre o trabalho, a saúde e as condições de vida: negatividade e positividade no trabalho das profissionais de enfermagem de um hospital escola. Rev. Latino-Americana de Enferm., 14 (4), pp. 517-525. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rlae/v14n4/v14n4a08.pdf Acesso em: 20 out. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-11692006000400008

Petersen, R. de S., & Marziale, M. H. P. (2017). Análise da capacidade no trabalho e estresse entre profissionais de enfermagem com distúrbios osteomusculares. Rev. Gaúcha de Enferm., 38 (3). Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rgenf/v38n3/0102-6933-rgenf-38-3-e67184.pdf Acesso em: 10 mar. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2017.03.67184

Raffone, A. M., & Hennington, É. A. (2005). Avaliação da capacidade funcional dos trabalhadores de enfermagem. Rev. de Saúde Púb., 39, pp. 669-676, 2005. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/rsp/2005.v39n4/669-676/pt Acesso em: 10 mar. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102005000400023

Rodrigues, D. D. M. et al. (2019). Índice de capacidade para o trabalho e a equipe de enfermagem. Rev. enferm. UFPE on line, pp. [1-11]. Disponível em DOI: https://doi.org/10.5205/1981- 8963.2019.239380 Acesso em: 10 jan. 2020.

Fischer, F. M. et al. (2005). A (in)capacidade para o trabalho em trabalhadores de enfermagem. Rev Bras Med Trab, 3 (2), pp. 97-103. Disponível em: https://cdn.publisher.gn1.link/rbmt.org.br/pdf/v3n2a03.pdf Acesso em 10 ago. 2019.

Vianey, E. L., & Brasileiro, M. E. (2003). Saúde do trabalhador: condições de trabalho do pessoal de enfermagem em hospital psiquiátrico. Rev. Bras. de Enferm., 56 (5), pp. 555-557. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-71672003000500017 Acesso: 10 jan. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-71672003000500017

Silva, M. C. N. da, & Machado, M. H. (2020). Sistema de Saúde e Trabalho: desafios para a Enfermagem no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 25 (1), pp. 7-13. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232020251.27572019 Acesso em: 09 fev. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020251.27572019

Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). (2013). Profissionais de enfermagem atribuem erros a falta de condições adequadas de trabalho. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/profissionais-de-enfermagem-atribuem-erros-a-falta-de-condicoes-adequadas-de-trabalho_17735.html. Acesso em: 15 jun. 2019.

Downloads

Published

01-07-2021

How to Cite

Pereira, C. S., Bonito, R. F., & Antunes, D. E. (2021). A Work Ability Assessment in Nursing Workers. International Journal for Innovation Education and Research, 9(7), 282–294. https://doi.org/10.31686/ijier.vol9.iss7.3249