THE FEAR OF “OTHERS”

A STUDY ON SOCIO-SPATIAL CHANGES AND SOCIABILITY IN A DISTRICT OF CRICIÚMA, BRAZIL

Authors

  • Regiane Viana da Silva Centro Universitário Barriga Verde image/svg+xml
  • Viviane Kraieski de Assunção Universidade do Extremo Sul Catarinense image/svg+xml

DOI:

https://doi.org/10.31686/ijier.vol9.iss5.3072

Keywords:

culture of fear, everyday life, penitentiary, community, difference

Abstract

São Domingos, district in the municipality of Criciúma (State of Santa Catarina, Brazil), has undergone several transformations arising from the advance of urbanization. Since the 1980s, the neighborhood is no longer exclusively agricultural, with the installation of a ceramic industry, the beginning of a process of fractionation of properties and, more recently, the installation of a prison complex. This article presents the results of research that understand that the changes in the neighborhood are, among other factors, the fruits of the interaction that occurred between the subjects, producing various forms of social relationship. The research focuses on the perspective of the oldest residents of the neighborhood. The results show these changes are understood as a risk to their sense of community and to the values, which has contributed to the establishment of a culture of fear and insecurity, marked by the demarcation of differences between the subjects and the rupture of everyday life.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Regiane Viana da Silva, Centro Universitário Barriga Verde

Professor in the Centro Universitário Barriga Verde (UNIBAVE)

Orleans, Santa Catarina, Brazil

Master in Environmental Sciences (UNESC)

Viviane Kraieski de Assunção, Universidade do Extremo Sul Catarinense

Doctor in Social Anthropology (UFSC)

Professor in the Graduate Program of Environmental Science (UNESC)

Criciúma, Santa Catarina, Brazil

References

ALMEIDA, A. P. 2011. Uma análise sobre sociabilidade, cotidiano e vizinhança em um bairro popular de João Pessoa-PB. Ponto Urbe, São Paulo, n. 9.

ASSUNÇÃO, V. K.; CONCEIÇÃO, Z. S. 2018. Verticalização e sociabilidade: as relações entre moradores de edifícios e suas formas de uso e apropriação do espaço. Ra’e Ga, Curitiba, v. 44: 69-84.

BACCI, D. C.; SANTOS, V. M. N. 2017. Proposta para governança ambiental ante os dilemas socioambientais urbanos. Est. Av., São Paulo, v. 31, n. 89: 199-212.

BAIERL, L. F. 2004. Medo social: da violência visível ao invisível da violência. São Paulo: Corty.

BALSADI, O. V. 2015. Mudanças no meio rural e desafios para o desenvolvimento sustentável. Perspec., São Paulo, v.15, n.1, p.155-165.

CORDEIRO, G. Í. 2001. Territórios e identidades sobre escalas de organização sócio-espacial num bairro de Lisboa. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, [s.v.], n. 28: 1-16.

BAUMAN, Z. 2003. Comunidade: busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Zahar.

BAUMAN, Z. 2009. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro: Zahar.

BENELLI, S. J. 2014. A lógica da internação: instituições totais e disciplinares (des)educativas. São Paulo: Editora UNESP.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução no. 510, de 12 de dezembro de 2012. Available at: http://www.unesc.net/portal/resources/files/379/Res%20466_2012.pdf

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução no. 466, de 07 de abril de 2016. Available at: http://www.unesc.net/portal/resources/files/379/Res%20510_2016.pdf

CALDEIRA, T. P. do R. 1997. Enclaves fortificados: a nova segregação urbana. Novos Estudos CEBRAP, n. 47: 155-176.

CARLOS, A. F. A. 2011. A Cidade e a Organização Do Espaço. Revista do Departamento de Geografia, 1: 105-111.

CARLOS, A. F. A. 2015. A cidade. Repensando a Geografia. 9. ed. São Paulo: Contexto.

DAMIANI, A. 2011. A Cidade (Des)Ordenada e o Cotidiano. Revista do Departamento de

Geografia, n. 9, p. 107-116.

DANIN, R. A. 2017. Loic Wacquant: Encarceramento em massa como política social na contemporaneidade. Rev. Sem Aspas, n. 2, p. 125-133.

ECKERT, C. 2002. A cultura do medo e as tensões do viver a cidade: narrativa e trajetória de velhos moradores de Porto Alegre. Iluminuras, Porto Alegre, v. 3, n. 6, p. 1-32.

ELIAS, N.; SCOTSON, J. L. 2000. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

FERNANDES, D. F. 2015. O grande encarceramento brasileiro: política criminal e prisão no século XXI. Revista do CEPEJ, Salvador, n. 18: 101-153.

FOUCAULT, M. 2013. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 41. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

FRÚGOLI JR., H. 2013. Relações entre múltiplas redes no Bairro Alto (Lisboa). Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 28, n. 82.

GASKELL, G. 2002. Entrevistas individuais e grupais. In: GASKELL, G.; BAUER, M. W. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes. pp. 64-89.

GOLDENBERG, M. 2004. A arte de pesquisar: Como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 8ª ed. Rio de Janeiro: Record.

GOMES, R. 2010. “Análise e interpretação de dados em pesquisa qualitativa”. In: MINAYO, M. C. de S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29. ed. Petrópolis, RJ: Vozes. pp. 79-112.

GONZAGA, V. P. G. 2013. À sombra do encarceramento: o entorno das prisões. Tese de Doutorado em História) - Instituto de História, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

GOULART, J.; GONÇALVES, C. 2019. Enclaves fortificados e segregação urbana: a dinâmica contemporânea de urbanização de Ribeirão Preto. Risco Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo, v. 17, n. 2, pp. 41-59.

HOBOLD, P. 2005. A história de Araranguá. Araranguá, SC: Ed. do Autor.

LEFEBVRE, H. 1980. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo, Ed. Ática.

LEFEBVRE, H. 1991. O direito à cidade. São Paulo: Moraes.

LEVIGARD, Y. E.; BARBOSA, R. M. 2010. Incertezas e cotidiano: uma breve reflexão. Arq.

bras. psicol., Rio de Janeiro, v. 62, n. 1: 84-89.

MISKOLCI, R. 2012. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte: Autêntica.

MORMONT, M. 1996. “Le rural comme catégorie de lecture du social”. In: JOLLIVET, M.; EIZNER, N. (Org.). L’Europe et ses campagnes. Paris: Presses de Sciences. pp. 161-176

PAULA, E. S. de. 1963. Hamurabi e o seu código. Revista de História, v. 27, n.56: 257-270.

PASTANA, D. R. 2009. Estado punitivo e encarceramento em massa: retratos do Brasil atual. Revista Brasileira de Ciências Criminais, v. 77: 313-330.

QUEVEDO NETO, P. S.; LOMBARDO, M. A. 2006. Dinâmica e qualidade da paisagem na área de transição urbano-rural. Geografia, Rio Claro, v. 31, n.2: 257-268.

RESGALA, G. 2017. A moeda social e o fortalecimento do espaço diferencial nas periferias. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, Recife, v.19, n.2: 267-287.

RODRIGUES, J. F. 2014. O rural e o urbano no Brasil: uma proposta de metodologia de classificação dos municípios. Análise Social, v. 211, n. xlix (2.º): 430-456.

SALGUEIRO, T. B. 2003. “Espacialidades e temporalidades urbanas”. In: CARLOS, A. F. A.; LEMOS, A. I. G. (Orgs). Dilemas Urbanos: novas abordagens sobre a cidade. São Paulo: Contexto.

SANTOS, M. M.; ALCHIERI, J. C.; FILHO, A. J. F. 2009. Encarceramento humano: uma revisão histórica. Revista Interinstitucional de Psicologia, v.2, n. 2: 170-181.

SARTI, C. A. 1994. A família como ordem moral. Cadernos de Pesquisa, São Paulo/SP, n. 91: 46-53.

SILVA, T. T. Identidade e diferença: impertinências. Educação e Sociedade, São Paulo, n.79, p. 65-66, 2002.

SIMMEL, G. 1983. O estrangeiro. In: MORAES FILHO, E. (Org.). Simmel – Sociologia. São Paulo: Ática. pp.182- 188.

SCHNEIDER, S. 2001. A pluriatividade como estratégia de reprodução social da agricultura familiar no sul do Brasil. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro/RJ, v. 16: 164-184.

SOUZA, M. L. 2008. Fobópole: o medo generalizado e a militarização da questão urbana. Rio

de Janeiro: Bertrand Brasil.

THOMPSON, A. 1980. A questão da penitenciária. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense.

WACQUANT, L. 2001. Deadly Symbiosis: When Ghetto and Prison Meet and Merge. Punishment and Society, v. 3, n. 1: 95-134.

WACQUANT, L. 2009. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Revan.

WANDERLEY, M. N. B. 2003. Agricultura familiar e campesinato: rupturas e continuidade. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, v. 21: 42-61

WIRTH, L. 1997. “O urbanismo como modo de vida”. In: FORTUNA, C. (Org.). Cidade, Cultura e Globalização. Oeiras: Celta.

ZACKSESKI, C.; MACHADO, B. A.; AZEVEDO, G. 2016. Dimensões do encarceramento e desafios da política penitenciária no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Criminais, v. 126: 291-331.

ZOMIGHANI JUNIOR, J. H. 2015. Modernizações seletivas e os circuitos espaciais da economia urbana: cidades e prisões no atual período tecnológico. Urbe Rev. Bras. Gest. Urbana, Curitiba, v. 7, n. 2: 211-226.

Downloads

Published

01-05-2021

How to Cite

Silva, R. V. da, & Assunção, V. K. de. (2021). THE FEAR OF “OTHERS”: A STUDY ON SOCIO-SPATIAL CHANGES AND SOCIABILITY IN A DISTRICT OF CRICIÚMA, BRAZIL. International Journal for Innovation Education and Research, 9(5), 75–91. https://doi.org/10.31686/ijier.vol9.iss5.3072