Pregnant teenagers treated at the obstetric center of a university hospital

Authors

  • Luana Maria Tassoni Ferro Universidade Federal da Grande Dourados image/svg+xml
  • Ceny Longhi Rezende Universidade Federal da Grande Dourados image/svg+xml
  • Cassia Barbosa Reis Mato Grosso do Sul State University image/svg+xml
  • Alessandra Aparecida Vieira Machado Mato Grosso do Sul State University image/svg+xml
  • Renato Sarmento dos Reis Moreno Universidade Federal da Grande Dourados image/svg+xml

DOI:

https://doi.org/10.31686/ijier.vol9.iss2.2950

Keywords:

Adolescent, Childbirth, Pregnancy

Abstract

According to the definition of the World Health Organization, adolescence is the phase of life between 10 and 19 years of age, a period marked by physiological and biopsychosocial changes, in which pregnancy is considered a risk factor for both mother and fetus from the biomedical point of view. Several factors have been associated with teenage pregnancy with negative maternal and neonatal impacts, such as: social vulnerability, low levels of education, income, and sexual education. This is a descriptive cross-sectional study with a quantitative approach, which aimed to identify obstetric factors and neonatal outcomes of greater frequency among pregnant adolescents treated at the obstetric center of a university hospital. Data collection was performed through a logbook of daily procedures at the obstetric center, so that all parturients under 19 years of age treated in 2018 were included in the study. The variables studied were age, parity, type of delivery, gestational age, diagnosis of syphilis and HIV, number of prenatal consultations, and insertion of an intrauterine device (IUD). As for the newborn, the following were analyzed: weight and hospital destination after birth. The data were processed using the SOFA.5.2 software (Statistics Open for All) and the significance level established was 95%, with a value of (P ≤ 0.05). Three thousand four hundred and thirty pregnant women were evaluated. There was a birth rate of 19.3% among adolescents, with a correlation between the low weight of the newborn with the longest hospital stay and the number of prenatal visits, and also the identification of low insertion of contraceptive methods immediately after delivery. Adolescent pregnancy was correlated with low-birth-weight newborns and a longer stay in neonatal units, consequences often associated with the insufficient number of prenatal consultations. Public health policies for the inclusion of qualified nursing professionals in the management of insertion of the intrauterine device for the prevention of subsequent pregnancies deserve special attention.

Downloads

Download data is not yet available.

Metrics

Metrics Loading ...

Author Biographies

Luana Maria Tassoni Ferro, Universidade Federal da Grande Dourados

Residency in Obstetric Nursing, University Hospital

Ceny Longhi Rezende, Universidade Federal da Grande Dourados

Obstetric Nurse, University Hospital

Cassia Barbosa Reis, Mato Grosso do Sul State University

Professor of the Professional Master's Degree Program in Health Education

Alessandra Aparecida Vieira Machado, Mato Grosso do Sul State University

Professor of the Medical Course

Renato Sarmento dos Reis Moreno, Universidade Federal da Grande Dourados

Assistant Nurse, University Hospital

References

Abeýa R, Sá RAM, Silva EP, Netto HC, Bornia RG, Jr JA. Complicações perinatais em gestantes infectadas pelo vírus da imunodeficiência humana. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, 4 (4): 385-390, out. / dez., 2004.

ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar. Projeto Parto Adequado. 2018.

Appropriate technology for birth. Lancet. 1985;2(8452):436-7.

Araújo DMR, Pereira NL, Kac G. Ansiedade na gestação, prematuridade e baixo peso ao nascer: uma revisão sistemática da literatura. Cad Saúde Pública. 2007; 23:747-56.

Barbas DS, Costa AJL, Luiz RR, Kale PL. Determinantes do peso insuficiente e do baixo peso ao nascer na cidade do Rio de Janeiro, Brasil, 2001. Epidemiol Serv Saude. 2009; 18(2):161-170.

Bordin MBM, Linhares MBM, Jorge SM. Aspectos cognitivos e comportamentais na média meninice de crianças nascidas pré-termo e com muito baixo peso. Psicol Teor Pesqui. 2001; 17:49-57.

BRASIL, Ministério da Saúde. Assistência em Planejamento Familiar: Manual Técnico. Brasília, 2002.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente - Lei número 8.069, de 13 de julho de 1990. Brasília.

BRASIL. Laboratório de demografia e estudos populacionais. Gravidez na adolescência no Brasil. 2013.

BRASIL. Lei Nº 9.263 de 12 de janeiro de 1996. Regula o § 7º do art. 226 da Constituição Federal, que trata do planejamento familiar, estabelece penalidades e dá outras providências. Brasília, DF, 12 jan. 1996.

BRASIL. Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher-PNDS, 2006. Brasília, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.265 de 1 de dezembro de 2017. Altera o Anexo XXVIII da Portaria de Consolidação nº 2/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, que dispõe sobre a ampliação do acesso ao Dispositivo Intrauterino. Brasília. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Proteger e cuidar da saúde de adolescentes na atenção básica. Brasília, 2017.

BRASIL. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. Brasília, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida Brasília, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gestação de Alto Risco. 9 ed. Brasília, DF; 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim epidemiológico Sífilis 2017. Brasília, 2017.

Cesar JÁ, Mendoza-Sassi RA, Gonzalez-Chica DA, Mano PS, Goulart-Filha SM. Características sociodemográficas e de assistência à gestação e ao parto no extremo sul do Brasil. Cad Saude Publica. 2011;27(5):985-94.

COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. Parecer nº 17/2010. Viabilidade dos Enfermeiros realizarem procedimentos em medicamentos e Insumos para planejamento familiar e reprodutivo. Brasília, 2010.

COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução nº358 de 2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências. Brasília-DF, 15 de outubro de 2009.

Conde-Agudelo A, Belizán JM, Lammers C. Maternal-perinatal morbidity and mortality associated with adolescent pregnancy in Latin America: cross-sectional study. Am J Obstet Gynecol. 2005;192(2):342-9.

Craigin E. Conservatism in obstetrics. N Y State J Med 1916 ; 104:1-3.

Cunha AA, Portela MC, AMED AM, Camano L. Modelo Preditivo para Cesariana com Uso de Fatores de Risco.RevBrasGinecolObstet 2002; 24(1): 21-28.

Declercq EF, Menacker F, MacDorman M. Maternal risk profiles and primary cesarean rate in the United States. Am J Public Health, 2006; 96:867-72.

Dias ACG, Teixeira MAP. Gravidez na adolescência: um olhar sobre um fenômeno complexo. Paidéia (Ribeirão Preto). 2010; 20(45): 123-31.

Faleiros VP. Políticas de saúde para adolescentes mulheres: uma visão feminista. Universidade católica de Brasília. No. 25, pp. 74-89 (2013).

Falopa CC, Sato DK, Souza EC, Valmórbida GA, Petreli GS, Inoue HY, et al. Gravidez na adolescência: Estudos de 50 casos atendidos na Maternidade Municipal de Londrina. Londrina – PR: 1994,15:30-5.

Filho OBM, Welkovic S, Katz L. Inserção de DIU pós-parto e pós-abortamento. Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. São Paulo, 2018.

Freitas F, Martins-Costa JG, Magalhães JA. Rotinas em obstetrícia. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2006.

Freitas PF, Savi EP. Desigualdades sociais nas complicações da cesariana: uma análise hierarquizada. CadSaude Publica, 2011; 27(10):2009-2020.

Gama SGN, Vilelas EF, Schilithz AOC, Filha MMT, Carvalho ML, Gomes KRO, Costa MCO, Leal MC. Fatores Associados à cesárea entre primíparas adolescentes no Brasil, 2011 – 2012. Cad.Saúde Pública. Agosto. 2014.

Goodall KE, McVittie C, Magill M. Birth choice following primary Caesarean section: mothers’ perceptions of the influence of health professionals on decision-making. J Reprod Infant Psychol 2009; 27:4-14.

Gurgel G. DIU na Adolescência. Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Medicina. Fevereiro. 2019.

Henderson JT, Thompson JH, Burda BU, Cantor A, Beil T, Whitlock EP. Screening for Preeclampsia: A Systematic Evidence Review for the US Preventive Services Task Force. Evidence Synthesis. JAMA. 2017; 317 (16): 1668- 83.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. Censo Demográfico, 2010. População estimada. Indicadores. Dourados: IBGE 2018.

Leal MC. Being pregnant in Brazil. Cad Saude Publica. 2012;28(8):1420-21.

Martinez EZ, Roza DL, Caccia-Bava MCGG, Achcar JA, Dal-Fabbro AL. Gravidez na adolescência e características socioeconômicas dos municípios do estado e São Paulo, Brasil: análise espacial. Cad Saude Publica, 2011; 27(5):855-867.

Mascarello KC, Horta BL, Silveira MF. Complicações maternas e cesárea sem indicação: revisão sistemática e meta-analise. Revista de Saúde Pública. 51:105, 2017.

Meio MDBB, Lopes CS, Morsch DS. Fatores prognósticos para o desenvolvimento cognitivo de prematuros de muito baixo peso. Rev Saúde Pública 2003; 37:311-8.

Miranda FRD, Tanquete SR, Monteiro DLM, Blanco MN, Rodrigues AO. Pré-natal na adolescência: uma revisão crítica. Adolesc. Saude, Rio de Janeiro, v. 10, supl. 1, p. 43-50, abril 2013.

Monteiro CA. A dimensão da pobreza, da fome e da desnutrição no Brasil. Estud Av 2003; 17:7-20

Monteiro DLM, Cunha AA, Bastos AC. Gravidez na adolescência. Rio de Janeiro: Revinter. 1998.

Nascimento TLC, Bocardi MIB, SantaRosa MPR. Doença Hipertensiva Específica da Gravidez (DHEG) em adolescentes: uma revisão de literatura. Ideias & Inovação. 2015; 2 (2): 69-76.

Oliveira EFV, Gama SGN, Silva CMFP. Gravidez na adolescência e outros fatores de risco para mortalidade fetal e infantil no município do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saude Publica 2010; 26(3):567-578.

ONU. Assembleia Geral das Nações Unidas. Relatório da taxa de gravidez na adolescência está acima da média latino-americana e caribenha. Brasil: 2018.

OPAS. Organização Pan-Americana da Saúde. Folha Informativa – Mortalidade Materna. Banco de notícias. Agosto.2018.

Santos NLAC, Costa MCO, Amaral MTR, Vieira GO, Baceral EB, Almeida AHV. Gravidez na adolescência: análise de fatores de risco para baixo peso, prematuridade e cesariana. Ciênc. saúde coletiva 19 (03) Mar 2014.

SBP. Sociedade Brasileira de Pediatria. Infecções Sexualmente Transmissíveis na Adolescência. Guia Prático de Atualização. Departamento Cientifico de Adolescência e Infectologia. Nº6, agosto. 2018.

Silva MP, Santos ZMSA, Nascimento RO, Fonteles JL. Avaliação das condutas de prevenção da síndrome hipertensiva específica da gravidez entre adolescentes. Rev Rene. Fortaleza. 2010; 11 (4): 57-65

Vieira LM, Saes SO, Dória AAB, Goldberg TBL. Reflexões sobre a anticoncepção na adolescência no Brasil. Recife: Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. 2006.

WHO. World Health Organization. Young People´s Health - a Challenge for Society. Reportof a WHO StudyGroupon Young People and Health for All. TechnicalReport Series 731. Geneva: WHO, 1986.

Downloads

Published

2021-02-01
CITATION
DOI: 10.31686/ijier.vol9.iss2.2950

How to Cite

Ferro, L. M. T., Rezende, C. L., Reis, C. B., Machado, A. A. V., & Moreno, R. S. dos R. (2021). Pregnant teenagers treated at the obstetric center of a university hospital. International Journal for Innovation Education and Research, 9(2), 247–261. https://doi.org/10.31686/ijier.vol9.iss2.2950
Received 2021-01-14
Accepted 2021-01-23
Published 2021-02-01