Oversharenting and family life likes on Instagram

Main Article Content

Renata Soares Martins
Suely Aparecida do Nascimento Mascarenhas
Gisele Cristina Resende

Abstract

This article invites us to reflect on oversharenting and family life that, owing to the proliferation of communications technology and the internet, is intersected by digital cyberculture. The research was carried out on the social network, using the method of searching by hashtag. The results showed that during 2018 in two weeks, 20,781 posts were made using the hashtag “minidiva” and 1,679 with the hashtag “miniblogger”, from which three posts were collected each day. Netnography was used to analyze the images and categorize them: (1) oversharenting and family life, (2) social media and child consumption, (3) child adultization. It was concluded that online social networks (Instagram) are spaces where interpersonal relationships; it was seen that the act of consuming gained relevance in the family and that the child’s exposure occurs without awareness, which can cause a high degree of exposure and consequently have adverse effects for everyone.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Martins, R. S., Mascarenhas, S. A. do N., & Resende, G. C. (2020). Oversharenting and family life: likes on Instagram. International Journal for Innovation Education and Research, 8(11), 155–170. https://doi.org/10.31686/ijier.vol8.iss11.2731
Section
Articles
Author Biography

Renata Soares Martins, Universidade Federal do Amazonas - UFAM/Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas

Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Amazonas  - UFAM

Psicóloga do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas

References

Alcântara, A, & Osório, A. (2014). Da “morte” da infância à infância no digital: uma discussão sobre o lugar da infância no consumo de produtos digitais. In: Alcântara, A., & Guedes, B. (orgs.). Culturas infantis do consumo: práticas e experiências contemporâneas. São Paulo: Pimenta Cultural. http://books.google.com.br/books?id=lJ1VBAAAQBAJ&lpg=PP1&hl=ptBR&pg=PP1#v=onepage&q&f=false>.

Andrade, M. C. (2017). O Discurso da Maternidade em Celebrity Mommy Blogs. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science; 6(4), 111-127. http://dx.doi.org/10.21664/2238-8869.2017v6i4

Barros, R. A. F, Barros, D. F, & Gouveia, T. M. O. A. (2013). Crianças como Pequenos Adultos? Um Estudo Sobre a Percepção da Adultização na Comunicação de Marketing de Empresas de Vestuário Infantil. Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro,

(3), 6-20. http://www.atena.org.br/revista/ojs-2.2.3-08/index.php/ufrj/article/viewFile/1935/1769

Bauman, Z. (2008). Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bolesina, I., & Gervason, T. A. (2015). Internet, Cibercultura e Pós-Modernidade: Primeiros nós de uma nova rede contextual. In: Anais 3º Congresso Internacional de Direito e Contemporaneidade: mídias e direitos da sociedade em rede. Santa Maria/RS. http://www.ufsm.br/congressodireito/anais

Borda, J. (2015). Cultivating Community Within the Commercial Marketplace: Blurred Boundaries in the ‘Mommy’ Blogosphere. In: The Motherhood Business: consumption, communication, and privilege, eds. A. T. Demo, J. L. Borda, & C. H. Krolokke. Tuscaloosa: University of Alabama Press, 121-150.

Buckingham, D. (2007). Childhood in the age of global media. Children’s. Geographies, 5 (1-2), 43-54.

Buckingham, D. (2006). Crescer na era das mídias eletrônicas: após a morte da infância. Florianópolis: Editora Loyola.

Castro, F. M. C., & Spinola, C. A. (2015). Metodologia de pesquisas na internet: breves considerações sobre uma pesquisa qualitativa em turismo nas redes sociais. Revista Iberoamericana de Turismo – RITUR. Penedo, 5(1), 170-188.

Caniato, A. M. P., & Nascimento, M. L. V. (2010). A subjetividade na sociedade de consumo: do sofrimento narcísico em tempos de excesso e privação. Arq. bras. psicol, Rio de Janeiro, 62(2), 25-37. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672010000200004&lng=pt&nrm=iso

Dessen, M. A., & Braz, M. P. (2005). A família e suas inter-relações com o desenvolvimento humano. In: Dessen, M. A, & Costa-Junior, A. L (orgs). A ciência do desenvolvimento humano: tendências atuais e perspectivas futuras. Porto Alegre: Artmed, 2005.

Eberlin, F. B. T. (2017). Sharenting, liberdade de expressão e privacidade de crianças no ambiente digital: o papel dos provedores de aplicação no cenário jurídico brasileiro. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, 7(3), 256-274.

Ishida, G. Influenciadores (2016). In: Silva, T.; Stabile, M. (2016). Monitoramento e Pesquisa em Mídias Sociais: Metodologias, Aplicações e Inovações. São Paulo : Uva Limão, 364.

Jerslev, A. (2016). In the Time of the Microcelebrity: Celebrification and the YouTuber Zoella. International Journal of Communication, 10, 5233–5251.

Jorge, A; Andrade, M; Marapô, L. A. (2017). Representação da maternidade em Celebrity Mommy Blogs. In: 6º Congresso Ibero-americano em Investigação Qualitativa, 2017, Salamanca, Anais Investigação Qualitativa em Ciências Sociais, Vol.3, 144-153.

Köhler, J. F.; Amaral, E. M. H. (2010). A influência da internet nas relações familiares. Programa de Pós-Graduação em Mídias na Educação. Universidade Federal de Santa Maria.

Kozinets, R. V. (2014). Netnografia: realizando pesquisa etnográfica on-line. Porto Alegre: Penso.

Laurindo, R.; Bruck, T. (2014). Da infância para a adolescência: os valores de consumo em rede social. In: Alcântara, A., & Guedes, B. (orgs.). Culturas infantis do consumo: práticas e experiências contemporâneas. São Paulo: Pimenta Cultural, http://books.google.com.br/books?id=lJ1VBAAAQBAJ&lpg=PP1&hl=ptBR&pg=PP1#v=onepage&q&f=false.

Leão, D. (2014). Mundos virtuais: nova estratégia de diálogo com a “geração digital” In: Alcântara, A., & Guedes, B. (orgs.) Culturas infantis do consumo: práticas e experiências contemporâneas. São Paulo: Pimenta Cultural, 2014. http://books.google.com.br/books?id=lJ1VBAAAQBAJ&lpg=PP1&hl=ptBR&pg=PP1#v=onepage&q&f=false.

Machado, C., & Bettencourt, T. (2018). O lado negro das redes sociais: quais os riscos e como me proteger? IE Comunicaciones: Revista Iberoamericana de Informática Educativa, 28, 9-19.

Meirelles, R. M. V (2006). O princípio do melhor interesse da criança. In: Moraes, M. C. B. Princípios do Direito Civil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.

Menezes, J. A. S. (2013). A criança na cibercultura: brincar, consumir e cuidar do corpo. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia. Salvador.

Moura, K. F., & Mandaji, C. F. S. (2014). A relação das hashtags com as palavras de ordem presentes nas Manifestações Brasileiras de 2013. In: XV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul, Palhoça, Anais, 01-14.

Petersen, M. L., & Schmidt, S. P. (2014). Consumo e infância: “de mãos dadas a caminho da escola”. In: Alcântara, A., & Guedes, B. (orgs.) Culturas infantis do consumo: práticas e experiências contemporâneas. São Paulo: Pimenta Cultural, 2014. http://books.google.com.br/books?id=lJ1VBAAAQBAJ&lpg=PP1&hl=ptBR&pg=PP1#v=onepage&q&f=false.

Piza, M. V. (2012). O fenômeno Instagram: considerações sobre a perspectiva tecnológica. Monografia (Ciências Sociais com habilitação em Sociologia) – Universidade de Brasília.

Pires, M. L. A. (2013). Adultização da Infância: bastidores de um concurso de beleza infantil. Monografia (Licenciatura em Pedagogia). Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Poletto, M., & Koller, S. H. (2008). Contextos ecológicos: promotores de resiliência, fatores de risco e de proteção. Estudos de Psicologia, 25, 405-416.

Postman, N. (2012). O Desaparecimento da Infância. Rio de Janeiro: Grafhia Editorial, 2012.

Salazar, M. M. (2014). Consumir, registrar, compartilhar: a hashtag #lookdodia na sociedade do consumo. In: VIII Simpósio Nacional da ABCiber, Anais Comunicação e cultura na era de tecnologias midiáticas onipresentes e oniscientes, São Paulo.

Sanches, C., & Cardelino, L., & Ramos, T. (2018). Guia de Segurança On-line, E-book, 2014. http://www.roteirokids.com.br/site/wpcontent/uploads/2014/01/AVG_EBOOK.pdf

Silva, F. M., & Guimarães, M. E. A. (2014). Street Style Kids: um novo paradigma da infância, moldado pela moda e pela publicidade. Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística, 4(1).

Steinberg (2017). Sharenting: Children's Privacy in the Age of Social Media. Emory Law Journal. University of Florida Levin College of Law Research Paper, 16-41.

Turra, K. K. (2016). Seria o Oversharenting uma Violação ao Direito à Privacidade e à Imagem da Criança?. Alethes: Per. Cien. Grad. Dir. UFJF, 6(10), 105-122. http://www.periodicoalethes.com.br/media/pdf/10/seria-o-oversharenting.pdf

Weber, T. B. B, & Francisco-Maffezzolli, E. C. (2016). Mídia, Consumo e a Adultização de Crianças: Uma Reflexão Macrossocial. In: XVII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul. Anais Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Curitiba, 2016, 1-15. http://www.portalintercom.org.br/anais/sul2016/resumos/R50-0535-1.pdf

Zanini, D. (2016). Etnografia em Mídias Sociais. In: Silva, T.; Stabile, M. Monitoramento e Pesquisa em Mídias Sociais: Metodologias, Aplicações e Inovações. São Paulo: Uva Limão.