Environmental Diagnosis of the Unconfined Aquifer in the Coastal Region of Northeast Brazil

Main Article Content

Carlos Alexandre Borges Garcia
Nathalia Krissi Novaes Oliveira
Ranyere Lucena de Souza
Helenice Leite Garcia

Abstract

Groundwater is a large percentage of sweet easily accessible water and is often the only option for drinking water supply. In general, it possesses better quality due to interactions with the ground during percolation. In urban areas, however, various activities compromise its quality and demand, such as installation of black tanks, wastewater without treatment or with inadequate treatment, improper disposal of solid waste, waterproofing recharge areas, storage of dangerous products in underground or air tanks without basin containment, among others. The aim of this study was to evaluate the contamination of the unconfined aquifer in the North Zone of Aracaju, SE, through the analysis of physical, chemical and biological parameters of water samples from shallow wells, relating to potential sources of contamination, evaluating the effects of seasonality and comparing them to the limits of potability of Decree No. 2,914 / 2011 of the Ministry of Health, the results show that all samples were unfit for human consumption for at least one of the 13 analyzed parameters, with the most significant change in the dry season.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Borges Garcia, C. A., Novaes Oliveira, N. K., Lucena de Souza, R. ., & Leite Garcia, H. (2020). Environmental Diagnosis of the Unconfined Aquifer in the Coastal Region of Northeast Brazil. International Journal for Innovation Education and Research, 8(10), 227-236. https://doi.org/10.31686/ijier.vol8.iss10.2673
Section
Articles
Author Biographies

Carlos Alexandre Borges Garcia, Universidade Federal de Sergipe

Postgradauate Program in Water Resources

Nathalia Krissi Novaes Oliveira, Universidade Federal de Sergipe

Postgraduate Program in Water Resources

Helenice Leite Garcia, Universidade Federal de Sergipe

Department of Chemical Engineering

References

ANA Agência Nacional de Águas (2007). Panorama do enquadramento dos corpos d’água do Brasil, e, Panorama da qualidade das águas subterrâneas no Brasil. Agência Nacional de Águas/Superintendência de Planejamento de Recursos Hídricos, Cadernos de Recursos Hídricos, Brasília, ANA, SPR.

APHA American Public Health Association (1998). Standard Methods for the Examination of Water and Wasterwater. 20 ed. Washington, APHA.

ARAÚJO, H. M.; BEZERRA, G. S.; SOUZA, A. C. (2009). Hidrografia e hidrogeologia: qualidade e disponibilidade de água para abastecimento humano na bacia costeira do rio Sergipe. In: Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, 13., Anais eletrônicos, Viçosa, UFV. https://ri.ufs.br/bitstream/123456789/526/1/Hidrografia%20e%20hidrogeologia.pdf. Accessed 23 nov. 2014.

ASTM (2010). Method D6699-01: Standard practice for sampling liquids using bailers. ASTM International, Pennsylvania.

Brasil (2013). Manual prático de análise de água. 4ª ed. Brasília, Fundação Nacional de Saúde.

BRASIL (2011). Ministério da Saúde. Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 14 dez. 2011, Seção V. p. 32.

CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (2014). Texto explicativo: relação de áreas contaminadas no estado de São Paulo. Diretoria de Controle e Licenciamento Ambiental, CETESB, São Paulo. http://areascontaminadas.cetesb.sp.gov.br/wp-content/uploads/sites/45/2013/11/texto-explicativo1.pdf. Accessed 23 jan. 2016.

CONAMA Conselho Nacional de Meio Ambiente (2008). Resolução CONAMA Nº. 396, de 3 de abril de 2008. Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 7 abr. 2008, Seção 1, p. 64-68.

CONAMA Conselho Nacional de Meio Ambiente (2009). Resolução CONAMA Nº. 420, de 28 de dezembro de 2009. Dispõe sobre critérios e valores orientadores de qualidade do solo quanto à presença de substâncias químicas e estabelece diretrizes para o gerenciamento ambiental de áreas contaminadas por essas substâncias em decorrência de atividades antrópicas. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 30 dez. 2009, p. 81-84.

Cordeiro, M. R.; Rodrigues, S. M.; de Souza, P. R. N.; Ferreira, M. I. P. (2011). Avaliação da contaminação de efluentes domésticos em poços sobre área de restinga. Boletim do Observatório Ambiental Alberto Ribeiro Lamego, v. 5, n. 1, p. 89-102.

CORSEUIL, H. X.; ALVAREZ, P. J. J. (1996). Natural bioremediation perspective for BTX-contaminated groundwater in Brazil: effect of ethanol. Water Science and Technology, v. 34, n. 7, p. 311-318.

FILHO, J. M. (2000). Contaminação das águas subterrâneas. In: Feitosa, F. A. C e FILHO, J. M (org.). Hidrogeologia: conceitos e aplicações. 2. Ed, Fortaleza, CPRM/REFO, LABHID-UFPE.

FRANÇA, S. L. A. (2011). Zona de expansão urbana de Aracaju: conflitos entre ocupação e condições ambientais. In: Encontro Nacional da Anpur, 14., Rio de Janeiro.

GARCIA, C. A. B.; PASSOS, E. A.; ALVES, J. P. H. (2011). Assessment of trace metals pollution in estuarine sediments using SEM-AVS and ERM–ERL predictions. Environmental monitoring and assessment, v. 181, n. 1-4, p. 385-397.

GARCIA, C. A. B.; ALVES, J. P. H. (2006). Qualidade da água. In: Diagnóstico e avaliação da sub-bacia hidrográfica do rio Poxim. Relatório Final, UFS/FAPESE, Aracaju.

INMET Instituto Nacional de Meteorologia (2016). Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa. http://www.inmet.gov.br/projetos/rede/pesquisa/. Accessed 30 jan. 2016

IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2016). Censo Demográfico 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=280030. Accessed 24 jan. 2016.

IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Pesquisa nacional de saneamento básico - 2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Rio de Janeiro. http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv45351.pdf. Accessed 24 jan. 2016.

JESUS, J. B. (2015). Estimativa do balanço hídrico climatológico e classificação climática pelo método de Thornthwaite e Mather para o município de Aracaju-SE. Scientia Plena, v. 11, n. 5.

LAVOIE, R.; Joerin, F.; Vansnick, J.C.; Rodriguez, M. J. (2015). Integrating groundwater into land planning: A risk assessment methodology. Journal of Environmental Management, v. 154, p. 358-371.

LIBÂNIO, M. (2005). Fundamentos de qualidade e tratamento de água. Campinas/SP, Editora Átomo.

PINTO, J. E. S. S.; SANTOS, F. V.; SOUSA, I. F. (2000). Variação Rítmica dos elementos climáticos em Aracaju,SE. Rio de Janeiro-RJ, Sociedade Brasileira de Meteorologia, p. 641-647. http://www.cbmet.com/cbm-files/12-54b288633434b1633436a1881aa85582.pdf. Accessed 20 mar. 2016.

SANTOS, A.C. (2000). Noções de hidroquímica. In: Feitosa, F. A. C e FILHO, J. M (org.). Hidrogeologia: conceitos e aplicações. 2. ed. Fortaleza, CPRM/REFO, LABHID-UFPE.

SERGIPE (2012). Secretaria de Estado do Planejamento e da Ciência e Tecnologia. Superintendência de Recursos Hídricos. Atlas digital sobre recursos hídricos. Aracaju, SEPLANTEC/SRH, CD-ROM.

SILVA, C. A.; STRAPAÇÃO, S.; YAMANAKA, E. H. U.; BALLÃO, C.; MONTEIRO, C. S. (2013). Potabilidade da água de poços rasos em uma comunidade tradicional, Curitiba-PR. Revista Biociências, Taubaté, v.19, p. 88-92.

SILVA, D. D.; Migliorini, R. B.; SILVA, E. C.; LIMA, Z. M.; MOURA, I; B. (2014). Falta de saneamento básico e as águas subterrâneas em aquífero freático: região do Bairro Pedra Noventa, Cuiabá (MT). Eng Sanit Ambient, v. 19, n. 1, p. 43-52.

SILVA, R. C. A.; ARAÚJO, T. M. (2003). Qualidade da água do manancial subterrâneo em áreas urbanas de Feira de Santana (BA). Ciênc. saúde coletiva, São Paulo, v. 8, n. 4.