Family farming and sustainable rural development a case study in a settlement in the Brazilian Amazon

Main Article Content

Carlos Alberto Paraguassu-Chaves
Osvaldo dos Anjos
Allan Kardec Duailibe Barros Filho
Fulvia Vera de Martinez
Fabrício Moraes de Almeida
João Viana Fonseca Neto
Charlles da Silva Barata
Lenita Rodrigues Moreira Dantas
Fabio Robson Casara Cavalcante

Abstract

The struggle for a fair distribution of land consolidated social movements and put pressure on the Brazilian government to carry out agrarian reform. The government allocated rural workers to the settlements and created programs to strengthen family farming. The global concern with the sustainability of the planet has led scholars to think that family farming is an alternative for the reduction of poverty and for the preservation of the environment. Based on this principle, the objective of this study was to analyze whether family farming used in the family units of the Joana Darc III settlement in Rondônia contributes to sustainable development. Materials and methods: The research is characterized as descriptive and a case study. We use an instrument developed by Anjos17, semi-structured, divided into 6 blocks: Identification of the profile of farmers; Characterization of the production unit; Characterization of crop production; Production commercialization; Financing and infrastructure and, Life conditions. The sample granted for accessibility was a group formed by 30 (26.3%) rural farmers from the Joana Darc III settlement who cultivate different crops, harvested from a population of 114 farmers. For the sample size, the systematic sampling formula presented by Barbetta26 was used. The research project considers the ethical aspect and is in accordance with CNS Resolution 196/96. Results: The results showed that the settlers received financing from Pronaf for investments in increasing production and technical assistance from EMATER. However, the production system adopted is traditional, with the use of pesticides in crops and the use of pesticides in animals and they practice burning to clean the land. This practice goes against the principles of clean agriculture, which aims to preserve the environment. It was also found that the settled farmers sell their products below the market price, reducing their profit margin. However, all were unanimous in ensuring that they would have better living conditions compared to the life before the settlement and believe in improvements in the future. Conclusions: It was rejected the hypothesis that family farming used in the family units of the Joana Darc III settlement in Rondônia contributes to sustainable development.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Paraguassu-Chaves, C. A. ., Anjos, O. dos ., Filho, A. K. D. B. ., Martinez, F. V. de ., Almeida, F. M. de ., Neto, J. V. F. ., Barata, C. da S. ., Dantas, L. R. M. ., & Cavalcante, F. R. C. . (2020). Family farming and sustainable rural development: a case study in a settlement in the Brazilian Amazon. International Journal for Innovation Education and Research, 8(9), 369-394. https://doi.org/10.31686/ijier.vol8.iss9.2648
Section
Articles
Author Biographies

Carlos Alberto Paraguassu-Chaves, Federal University of Maranhão

Professor 

Osvaldo dos Anjos, Higher Institute of Health Sciences and Environment of the Amazon – AICSA, Brazil

Researcher

Allan Kardec Duailibe Barros Filho, Federal University of Maranhão, Brazil

Professor

Fulvia Vera de Martinez, University of San Carlos, Paraguay.

Professor

Fabrício Moraes de Almeida, Federal University of Rondônia, Brazil

Researcher of the Doctoral and Master Program in Regional Development and Environment (PGDRA/UFRO). Leader of line 2 ― Technological and Systemic Development, and Researcher of GEITEC

João Viana Fonseca Neto, Federal University of Maranhão, Brazil.

Professor

Charlles da Silva Barata, Higher Institute of Health Sciences and Environment of the Amazon – AICSA

Researcher

Lenita Rodrigues Moreira Dantas, Higher Institute of Health Sciences and Environment of the Amazon – AICSA, Brazil

Researcher

Fabio Robson Casara Cavalcante, Federal University of Rondônia – UNIR, Brazil.

Associate professor

References

Soares IF, Melo AC, Chaves ADCG. A Agricultura Familiar: Uma alternativa para o desenvolvimento sustentável no município de Condado – PB. INFOTECNARIDO (Mossoró – RN – Brasil) v.3, n.1, p.56-63 janeiro/dezembro de 2009.

Martins JS. Ímpares sociais e políticos em relação à reforma agrária e a agricultura familiar no Brasil. Santiago Chile, 2001.

Bittencourt G. Agricultura familiar e agronegócio: questões para pesquisa. In: Lima, Dalmo M. de Albuquerque; Wilkinson, John (Orgs.). Inovações das tradições da agricultura familiar. Brasília: CNPq, 2002.

Abramovay R. Paradigmas do Capitalismo Agrário em questão. São Paulo. Anpocs, Unicamp, Hucitec, 1992. “Uma nova extensão para a agricultura familiar”. In: Seminário Nacional De Assistência Técnica e Extensão Rural. Brasília, DF, Anais, 1997, p. 29 (Texto para discussão).

Lamarche H. A agricultura familiar: uma realidade multiforme. Campinas: Editora da Unicamp, 1993. A análise da empresa familiar agrícola ou industrial. In: Association des Ruralistes Français. Lê monde Rural et lês Sciences Sociales: omission ou fascination. Tradução de Auro Luiz da Silva. Paris, 1994 a. XIX. Colóquio da Association des Ruralistes Françaises.

Abramovay R. Transformações na Vida Camponesa: o Sudoeste Paranaense, São Paulo: USP, 1981.

Hecht SA. evolução do pensamento agroecológico. In: ALTIERI, M. Agroecologia: as bases científicas da agricultura alternativa. 4. ed. Rio de Janeiro: PTA/FASE, 2000.

Wanderley MNB. O Campesinato Brasileiro: uma história de resistência. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/resr/v52s1/a02v52s1.pdf. Acesso em 14/10/2019.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11326.htm. Acesso em 24/08/2019.

BRASIL. Decreto nº 1.946, de 28 de junho de 1996. Cria o programa nacional de fortalecimento da agricultura familiar (PRONAF), e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1 julho 1996.

Mattei L. Programa nacional de fortalecimento da agricultura familiar (PRONAF). Brasília: Ministério do Planejamento, 2005.

BRASIL. Constituição Federal. Presidência da República. Brasil. Brasília-DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil. Acesso em 24/08/2019.

Elkington J. Triple bottom line revolution: reporting for the third millennium. Australian CPA, v. 69, p. 75, 1994.

Batalha MO. Gestão Agroindustrial. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

Teixeira EC. Desenvolvimento agrícola na década de 90 e no século XXI. Viçosa: Finep/Fapemig, 1993.

Pedroso MTC. Agricultura Familiar Sustentável: Conceitos, experiências e lições. 111f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasil, 2000.

Anjos O. Agricultura familiar como fator chave no desenvolvimento tural sustentável: um estudo no assentamento Joana Darc III em Rondônia. (Dissertação). Mestrado em Gestão Ambiental, Universidad San Carlos, Asunción (Paraguay), 2019.

Damasceno NP, Khan AS, Lima PVPS. O impacto do Pronaf sobre a sustentabilidade da agricultura familiar, geração de emprego e renda no Estado do Ceará. Rev. Econ. Sociol. rural vol.49 no.1 Brasília Jan./Mar. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20032011000100006.Acesso em 10.11.2019

Sousa MC, Passos ANTB, Khan AS. Qualidade de vida da agricultura familiar em assentamentos da reforma agrária no Rio Grande do Norte. Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural, SOBER, 42, 2004.

Gil AC. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 2008.

Lakatos EM, Marconi MA. Fundamentos de Metodologia Científica. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2003.

Silva EL, Menezes EM. Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação. 3ª ed. revisada e atualizada. UFSC/PPGEP/LED. Florianópolis, 2001.

Matias-Pereira J. Manual de Metodologia de Pesquisa Científica. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

Bruyne P, Herman J, Schiutheete M. Dinâmica da Pesquisa em Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3 eds. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Barbetta PA. Estatística aplicada às Ciências Sociais. 1. ed. Florianópolis: UFSC, 1994.

Toledo GL, Ovalle II. Estatística Básica. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

Kazmier LJ. Estatística aplicada a economia e administração. Porto Alegre: Bookman, 2008.

Bezerra GJ, Schlindwein MM. Family Farming as income generation and local development: an analysis in Dourados, MS, Brazil. INTERAÇÕES, Campo Grande, MS, v. 18, n. 1, p. 3-15, jan./mar. 2017.

Francisco WC. Reforma Agrária; Brasil Escola. Disponível em <https://brasilescola.uol.com.br/sociologia/reforma-agraria.htm>. Acesso em 17.12.2019.

Sangalli AR. Assentamento Lagoa Grande, em Dourados, MS: aspectos socioeconômicos, limitações e potencialidades para o seu desenvolvimento. 2013. 107 p. Dissertação (Mestrado em Agronegócios) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2013.

INCRA. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). Projetos de reforma agrária conforme fases de implementação. 2015. Disponível em: . Acesso em: 12 Nov. 2019.

Souza PM, Fornazier A, Ponciano NJ, Ney MG. Agricultura familiar versus agricultura não-familiar: uma análise das diferenças nos financiamentos concedidos no período de 1999 a 2009. Documentos Técnico- Científicos, v. 42, n. 1, jan./mar. 2011.

De Paula MM, Kamimura QP, Silva JLG. Mercados institucionais na agricultura familiar: dificuldades e desafios. Revista de Política Agrícola, n. 1, p. 33-43, 2014.

Roos D. Lutas Camponesas e Diferentes Atividades Associativas nos Assentamentos de Sem-Terra. Revista NERA. Presidente Prudente Ano 12, nº. 14 pp. 97-111 Jan.-jun./2009. Disponível em: http://www2.fct.unesp.br/nera/revistas/14/11_roos.pdf. Acesso em: 17.12.2019.

Almeida RA, Kudlavicz M. A potencialidade da pequena unidade de produção em Mato Grosso do Sul: os censos agropecuários 1995/96 e 2006 em debate. In: Faistig AL, Faria MFL. de (Org.). Direitos humanos, diversidade e movimentos sociais: um diálogo necessário. Dourados, MS: Ed. UFGD, 2011. p. 45-66.

EMBRAPA. Sistema de consórcio com mandioca. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-solucoes-tecnologicas/-/produto-servico/2112/sistema-de-consorcio-com-mandioca. Acesso em: 17.12.2019.

Fancelli AL. Pesquisas certificam espécies para rotação de culturas. Revista Visão Agrícola, n. 9, p. 17-20, 2009.

Arnhold MF, Ritter AFS, Balbinot M. Benefícios do sistema de rotação de culturas. In: 3ª Simpósio de Agronomia e Tecnologia em Alimentos, p. 1-5, 2016.

Coelho CN. A expansão e o potencial do mercado mundial de produtos orgânicos. Revista de Política Agrícola, ano 10, n. 2, p. 9-26, 2001.

Alvarenga AC, Fernandes LA, Campos PCO. Avaliação de sistemas agroflorestais com base em indicadores de sustentabilidade de determinação rápida e fácil. Caderno de Agroecologia. Vol 6, N° 2, Dez 2011.

Mendes JTG, Padilha Junior JB. Agronegócio: uma abordagem econômica. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

Waquil PD. Mercados e comercialização de produtos agrícolas / Paulo Dabdab Waquil, Marcelo Miele [e] Glauco Schultz; coordenado pela Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2010.

Cristopher M. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos - Estratégias para Redução de Custos e Melhoria dos Serviços, 1ª ed. São Paulo, Editora Pioneira, 1997.

Ballou RH. Logística Empresarial: Transportes, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas, 2011.

BRASIL. Governo do Brasil. Agricultura familiar brasileira é a 8ª maior produtora de alimentos do mundo. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/editoria/economia-e-financas/2018/06/agricultura-familiar-brasileira-e-a-8a-maior-produtora-de-alimentos-do-mundo. Acesso em 10/10/2019.

BRASIL. BNDES. Requisitos para enquadramento no Pronaf. Disponível em: https://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/financiamento/produto/pronaf-requisitos/. Acesso em: 24/09/2019.

Andrade M et al. Coletivização: uma proposta para os camponeses: primeiras indagações acerca das ações do Estado na fixação e organização das famílias trabalhadoras rurais para fins de reforma agrária. Versão Preliminar. São Paulo: Pro-ter/CEDI, 1989.

Melo VA. Introdução ao Lazer. Barueri SP: Manole, 2003.

França ACL. Qualidade de vida no trabalho: conceitos e práticas nas empresas da sociedade pós-industrial. 2003. Biblioteca Virtual em Saúde (BVS). Acesso em 09.12.2019.

Farshad A, Zink JA. Assessing agricultural sustainability using the six-pillar model: Iran as a case study. In: Gliessman SR. Agroecosystem sustainability: developing practical strategies. Boca Raton, Florida: CRC Press, 2001. p.137-151.

Altieri M. Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2004. 110 p.

Brandenburg A. Agricultura familiar, ONGs e desenvolvimento sustentável. Curitiba: ed. da UFPR. 1999.

Veiga JE. Problemas da transição à agricultura sustentável. In: Veiga JE. Agricultura Sustentável, São Paulo: IPE/USP, v. 24, p. 5-29, 1994. (Coleção Estudos Econômicos).

Carmo MS do. A produção familiar como locus ideal da agricultura sustentável. Agricultura em São Paulo, UNESP-SP, 45(1):1-16, 1998.

Most read articles by the same author(s)