The use of conflict mediation by the Sergipe River Basin Committee as a tool for implementing decentralised water resource management

Main Article Content

Vanessa Gomes de Araújo
Gregorio Guirado Faccioli
Raimundo Rodrigues Gomes Filho
Anderson de Almeida Santos
Juan Mariano Camarillo Naranjo
Clayton Moura de Carvalho
Rodrigo Couto Santos

Abstract

Parallel to the growing demand for multiple uses of water, conflicts between its users appear, contributing to the increase in the number of cases submitted to the Judiciary. This study aimed at analyzing the existence of mediation as a method of resolving possible conflicts related to water resources in the Sergipe River Basin. The qualitative approach research was developed based on a bibliographic survey, by means of consultations with books, pertinent legislation, articles in scientific and non-scientific journals and, documental, through the analysis of the minutes of the meetings of the Sergipe River Basin Committee, its Internal Regulations and the Climatological Report that analyses the rainfall variability by regions in Sergipe, from 2000 to 2017. The results revealed that despite moving towards recognizing mediation as a method for resolving conflicts, the Committee faced several difficulties in carrying out decentralized management of water resources, especially with regard to the resolution of water disputes. Possible solutions to some of the problems faced by the Committee can be pointed out, such as training its members in water resource management and conflict management, in addition to making them aware of participating frequently in Committee meetings and also stimulating the participation of the population in these meetings.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Araújo, V. G. de ., Faccioli, G. G., Gomes Filho, R. R., Santos, A. de A., Naranjo, J. M. C. ., Carvalho, C. M. de, & Santos, R. C. (2020). The use of conflict mediation by the Sergipe River Basin Committee as a tool for implementing decentralised water resource management. International Journal for Innovation Education and Research, 8(9), 290-303. https://doi.org/10.31686/ijier.vol8.iss9.2631
Section
Articles

References

Aguiar Netto, A.O., Moura Junior, E.M.B. (2011). Conflitos ambientais e processos judiciais na bacia hidrográfica do rio Sergipe. Scientia Plena, 7(1):1-16.

Almeida, D.A.R., Pantoja, F.M., Pelajo, S. (2015). A mediação no novo código de processo civil. Rio de Janeiro: Forense.

Araújo, H.M.de, Oliveira, A.M.de, Cruz, R.da, Souza, A.C. (2016). O agronegócio do milho e a modernização agrícola na sub-bacia do rio salgado. REGNE, Vol. 2, Nº Especial, 2016. Disponível em: <https://periodicos.ufrn.br/revistadoregne/article/view/10502/7433>. Acesso em 16 de junho de 2020.

Borba, N.Z., Bayer, D.A. (2015). A água como bem jurídico econômico. TerCi – Temiminós Revista Científica, 5(1).

Brazil. Lei nº 13.140, de 26 de junho de 2015. Dispõe sobre a mediação entre particulares como meio de solução de controvérsias e sobre a autocomposição de conflitos no âmbito da administração pública; altera a Lei no 9.469, de 10 de julho de 1997, e o Decreto no 70.235, de 6 de março de 1972; e revoga o § 2o do art. 6o da Lei no 9.469, de 10 de julho de 1997. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13140.htm>. Acesso em 10 de junho de 2020.

Câmara, A.F. (2006). Lições de Direito Processual Civil. VOL.I. 15 ed. Rio de Janeiro: Lumem Júris.

Cintra, A.C.deA., Grinover, A.P., Dinamarco, C.R. (2004). Teoria Geral do Processo. 20. ed. São Paulo: Malheiros.

Costa, C.C., Gomes, L.J., Almeida, J.A.P.de, Rocha, S.L.R. (2011). Ações impactantes nas matas ciliares da bacia hidrográfica do rio Poxim– SE. In: Encontro de Recursos Hídricos em Sergipe, 4, Aracaju: SEMARH/SRH, 2011. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/256186514_Acoes_impactantes_nas_matas_ciliares_da_bacia_hidrografica_do_rio_Poxim-SE. Acesso em: 22 de maio de 2020.

Costa, O.A. (2017). Laudo Climatológico: Análise da Variabilidade das Chuvas por Regiões em Sergipe, de 2000 a 2017. Aracaju.

Figueiredo, A.V.A., Maroti, P.S. (2011). Bacia Hidrográfica do Rio Sergipe - Significado, identidade e escolha de usos a partir da percepção dos membros do Comitê (Gestão 2008-2010). REDE - Revista Eletrônica do PRODEMA, Fortaleza, 7(2). Disponível em: <http://www.revistarede.ufc.br/rede/article/view/167>. Acesso em: 22 mai. 2020.

Figueiredo, L.M. (2013). Mediação Ambiental: O Acesso à Justiça pelo olhar da extrajudicialidade. In: Monica Bonnetti Couto; Maria dos Remédios Fontes Silva; Miguel Kfouri Neto. (Org.). Acesso à Justiça I. 1aed.: FUNJAB, p. 144-169.

Gil, A.C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo/SP: Atlas.

Gutièrrez, R.A. (2006). Comitê Gravataí: gestão participativa da água no Rio Grande do Sul. Lua Nova, São Paulo, 69:79-121. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ln/n69/a05n69.pdf>. Acesso em: 25 de junho de 2020.

Hora, F.M.D.da. (2006). Caracterização dos agroecossistemas da micro-bacia do riacho Cajueiro dos Veados, Malhador-SE. 2006. São Cristóvão. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas)-Universidade Federal de Sergipe. Disponível em: < http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=31698> Acesso em: 25 de junho de 2020.

Lakatos, E.M., Marconi, M.deA. (2011). Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Leite, K.L.R. (2015). Os comitês de bacia hidrográfica e a gestão dos recursos hídricos no Brasil. Revista Jus Navigandi Teresina, ano 20, n. 4329, 9 maio 2015. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/32873>. Acesso em: 25 junho de 2020.

Leroux, A.D., Martin, V.L., Zheng, H. (2018). Addressing water shortages by force of habit.Resourceand Energy Economics, 53, 42–61.doi:10.1016/j.reseneeco.2018.02.004.

Mendonça, Â.H.B. (2004). Uma visão geral de conceitos e aplicações práticas. 2. ed. MESC, Brasília: Projeto CACB/SEBRAE/BID.

One, G.M.daC., Albuquerque, H.N.de. (2008). Meio Ambiente: os desafios do mundo contemporâneo. Orgs. IMEA. João Pessoa, 2018. PORTO, M. F.; PORTO, L. Gestão de bacias hidrográficas. Estudos avançados, 22(63): 43 60.

Porto, M.F., Porto, L. (2008). Gestão de bacias hidrográficas. Estudos avançados, 22(63): 43 60.

Ramos, P.R. (2005). Modelo para outorga de uso da água utilizando a metodologia multicritério de apoio à decisão: Estudo de caso da Bacia Hidrográfica do rio Cubatão do Sul. 2005. 260 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis – SC.

Sergipe, Decreto nº 18.806 de 12 de maio de 2000. Homologa o Regimento Interno do Conselho Estadual de Recursos Hídricos – CONERH/SE, e dá providências correlatas. Secretaria de Estado do Planejamento e da Ciência e Tecnologia – SEPLANTEC. Disponível em:<https://sogi8.sogi.com.br/Arquivo/Modulo113.MRID109/Registro1329/documento%201.pdf.> Acesso em: 21 de junho de 2020.

Sergipe. Decreto n. 20.778, de 21 de junho de 2002. Institui o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Sergipe, e dá providências correlatas. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH. Comitê da Bacia do Rio Sergipe, 2002 Disponível em: <https://www.semarh.se.gov.br/recursoshidricos/wp-content/uploads/2018/01/decreto_de_constituicao.pdf>. Acesso em: 21 de junho de 2020.

Sergipe. Lei nº 3.870/97, de 25 de setembro de 1997. Dispõe sobre a Política Estadual de Recursos Hídricos e o Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Disponível em: <http://agenciapeixevivo.org.br/wp- content/uploads/2011/12/images_arquivos_legislacaoambiental_Sergipe_lei_n_3870.pdf>. Acesso em: 20 de junho de 2020.

Sergipe. Regimento Interno do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Sergipe. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH. Comitê da Bacia do Rio Sergipe, 2002.

Sergipe. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH. Atlas Digital sobre Recursos Hídricos do Estado de Sergipe. Aracaju: Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos/ Superintendência de Recursos Hídricos – SEMARH/ SRH, 2013. (CD‑ROM)

Sergipe. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH. Elaboração do Plano Estadual de Recursos Hídricos: Caracterização e Diagnóstico Ambiental do Estado. [s.l.]: SEMARH, 2010.

Sergipe. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH. Gestão Integrada das Águas Urbanas da Região Metropolitana de Aracaju – Diagnóstico Qualitativo. Aracaju, 2010. Disponível em: < https://www.semarh.se.gov.br/wp-content/uploads/2017/02/gestao_integrada_aguas_urbanas_aracaju.pdf>. Acesso em: 23 de junho de 2020.

Sergipe. Secretaria de Estado do Planejamento e da Ciência e Tecnologia – SEPLANTEC. Superintendência de Recursos Hídricos – SRH. Gestão participativa das águas de Sergipe. Aracaju, 2002, p. 72. Disponível em: < https://www.semarh.se.gov.br/recursoshidricos/wp-content/uploads/2018/01/publica%C3%A7%C3%A3o_cbh_vers%C3%A3o_final_com_capa.pdf >. Acesso em: 21 de junho de 2020.

Vasconcelos, C.E. (2008). Mediação de Conflitos e Práticas Restaurativas. São Paulo: Método.

Yarshell, F.L. (2004). A reforma do Judiciário e a promessa de “duração razoável do processo”. Revista do Advogado, São Paulo, ano XXIV, 75:28-33.

Most read articles by the same author(s)