Middle Childhood Adverse Psychomotor Outcomes from Malaria in Pregnancy: A Study using the Denver Developmental Screening Test-II

Main Article Content

Carlos Alberto Paraguassu-Chaves
Allan Kardec Duailibe Barros Filho
Carlos Tomaz
Maria Clotilde H Tavares
Lenita Rodrigues Moreira Dantas
Carla Dolezel Trindade
Simão Aznar Filho
Christian Diniz Carvalho
Fabrício Moraes de Almeida
João Viana Fonseca Neto

Abstract

Objective: to evaluate changes in the development of premature children aged 5 to 6 years, born to mothers with malaria during pregnancy and to compare them to a control group of premature children born to mothers who did not have malaria during pregnancy. Methods: cross-sectional and analytical study. The Denver test-II was applied to 20 children in the study group and 20 children in the control group. Results: in the group of premature children of mothers with malaria during pregnancy, the vast majority showed abnormal performance with more significant changes in the activities of the language sector "define seven words", "say two compound words", "understand four prepositions" and "account five blocks”, “knows three adjectives”. In the fine-adaptive motor sector, the activities "draw people with six parts", "copy disassembled square", "copy +" and in the gross motor sector "swing your foot for six seconds", "swing your foot for five seconds", "swing the foot for four seconds", "rocks the foot for three seconds", were the most important developmental changes. In the control group, the performance of suspected delay or possible abnormality was more concentrated in the gross motor sector. Conclusions: children from 5 to 6 years of age, born prematurely to mothers with malaria during pregnancy, 80% had suspected abnormal performance, a result much higher than the group of children born prematurely to mothers without malaria. These results strongly suggest that malaria disease during pregnancy alters fetal development, producing developmental sequelae that can be detected even at 5 to 6 years of age. In addition, the results support the use of the Denver test-II as a simple screening method for the assessment of delays in child development, covering broad motor coordination (coarse), fine motor coordination (adaptive), language and personal-social adaptation. This test has been used to identify children who are at risk of developing problems and to monitor the child longitudinally.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Paraguassu-Chaves, C. A. ., Barros Filho, A. K. D. ., Tomaz, C. ., Tavares, M. C. H. ., Moreira Dantas, L. R. ., Trindade, C. D. ., Filho, S. A. ., Carvalho, C. D. ., Almeida, F. M. de ., & Neto, J. V. F. . (2020). Middle Childhood Adverse Psychomotor Outcomes from Malaria in Pregnancy: A Study using the Denver Developmental Screening Test-II . International Journal for Innovation Education and Research, 8(3), 415-434. https://doi.org/10.31686/ijier.vol8.iss3.2247
Section
Articles
Author Biographies

Carlos Alberto Paraguassu-Chaves, Federal University of Maranhão

Professor

Allan Kardec Duailibe Barros Filho, Federal University of Maranhão, Brazil

Professor

Carlos Tomaz, Universidade CEUMA, Maranhão, Brazil

Full Professor

Maria Clotilde H Tavares, University of Brasília, DF, Brazil

Professor

Lenita Rodrigues Moreira Dantas, Higher Institute of Health Sciences and Environment of the Amazon – AICSA

Researcher

Carla Dolezel Trindade, Instituto Universitário Rio de Janeiro, RJ, Brazil

Professor

Simão Aznar Filho, Instituto Universitário Rio de Janeiro, RJ, Brazil

Professor

Christian Diniz Carvalho, Federal University of Maranhão, Brazil

Researcher

Fabrício Moraes de Almeida, Federal University of Rondônia, Brazil

Researcher of the Doctoral and Master Program in Regional Development and Environment (PGDRA/UFRO). Leader of line 2 ― Technological and Systemic Development, and Researcher of GEITEC

João Viana Fonseca Neto, Federal University of Maranhão, Brazil

Professor

References

[1] Brasil. Manual de Terapêutica da Malária. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Brasília. 2001.

[2] Paraguassu-Chaves CA. Geografia Médica ou da Saúde. Espaço e Doença na Amazônia Ocidental. Porto Velho. EdUFRO. 2001.

[3] Simões MCR. Prevalência de Partos Prematuros no Hospital de Base “Dr. Ary Pinheiro” (Porto Velho – RO) causados por malária durante a gestação no período de 2001 a 2003 em usuárias do SUS. [dissertation]. Mestrado em Ciências da Saúde. Universidade de Brasília. 2006.
[4] Amato Neto V, Henriques O. Malária. In: Neme B. Obstetrícia Básica. São Paulo: Sarvier. 2ª Ed. 2000.
[5] Simões MCR. Alterações do desenvolvimento de crianças prematuras nascidas de mães com malária no período gestacional. xiii, 138 f., il. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde)-Universidade de Brasília, Brasília, 2012.
[6] Simões MCR, Tomaz CAB. Alterações do desenvolvimento de crianças prematuras nascidas de mães com malária no período gestacional In: Paraguassu-Chaves CA, Costa AL, Simões MCR, Batista CPS, Tomaz CAB, Silva Junior NP. Ciências da Saúde na Amazônia: uma experiência interdisciplinar. 2ª. ed. Porto Velho: Edufro, 2013. v. 1. 274p .
[7] Brasil. Gestação de Alto Risco. Manual Técnico. Secretaria de Políticas. Área Técnica da Saúde da Mulher. Ministério da Saúde. Brasília. 2000.
[8] Duffy P, Fried M. Malaria in pregnancy. Bull World Health Organization. [serial on line]. 2002; 80(5). Available from: http://www.who.int/bulletin/
[9] Brasil. Sistema de Informações de Vigilância Epidemiológia em Malária. Brasília. 2012. Available from: http//www. portal.saude.gov.br /boletim_malaria/
[10] Espinosa FM. Malária na gravidez: estudo de pacientes do Instituto de Medicina Tropical do Amazonas, Brasil, 1990-1997. [dissertation]. Mestrado em Doenças Tropicais. Fiocruz. Rio de Janeiro. 1998.

[11] Singh N, Mehra RK, Srivastava N. Malaria during pregnancy and infancy, in an area of intense malaria transmission in central India. Ann Trop Med Parasitol. 2001; 95:19-29. [ Medline]
[12] Moorman AM, Sullivan AD, Rochford RA, et al. Retraso del crecimiento intrauterino como resultado del paludismo. Rev Panam Salud Publica. Washington, DC. 2000; 7(3).
[13] Barbosa VC, Formiga CKMR, Linhares MBM. Avaliação das variáveis clínicas e neurocomportamentais de recém-nascidos pré-termo. Rev Bras Fisioter. São Carlos. 2007; 11(4). P. 275-281.
[14] Saccani R, Brizola E, Giordani AP, et al. Avaliação do desenvolvimento neuropsicomotor em crianças de um bairro da periferia de Porto Alegre. Scientia Medica. Porto Alegre. 2007; 17 (3): 130-137.
[15] Guimarães JX. Malária. In: Marcondes M, Sustovich DR, Ramos OL. Clínica Médica. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2001.
[16] Mancini MC, Teixeira S, Araújo LG, et al. Estudo do desenvolvimento da função motora aos 8 e 12 meses de idade em crianças nascidas pré-termo e a termo. Arq Neuropsiquiatr. 2002; 60:974-980.
[17] Pilz EM, Schermann LB. Environmental and biological determinants of neuropsychomotor development in a sample of children in Canoas/RS. Revista Ciências e saúde coletiva. Vol. 12 nº 1. Rio de Janeiro. Jan./Marc. 2007.
[18] Linhares MBM. Prematuridade, risco e mecanismo de proteção ao desenvolvimento. Temas sobre desenvolvimento. 2003; 12( Sup Es) : 8-24.
[19] Halpern R, Giugliani ERJ, Victora CG, Barros FC, Horta BL. Fatores de risco para suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor aos 12 meses de vida. J Pediatr. Rio de Janeiro. 2000; 76: 421-428.
[20] Miranda LP, Reseque R, Figueiras ACM. A criança e o adolescente com problemas do desenvolvimento no ambulatório de pediatria. J Pediatria. Rio Janeiro. 2003; 79. Supl. 1: S33-S42.
[21] Graminha SSVG, Martins MAO. Condições adversas na vida de crianças com atraso no desenvolvimento. Medicina. Ribeirão Preto. 1997; 30: 259-267.
[22] Goulart AL. Assistência ao Recém-nascido Pré-Termo. In: Kolpelman I, Santos AMN, Almeida MFB, Miyoshi HM, Guinsburg R. Diagnóstico e Tratamento em Neonatologia. São Paulo. Atheneu. 2004.
[23] Msall ME, Tremont MR. Functional outcomes in self-care, mobility, communication, and learning in extremely low-birth weight infants. Clin Perinatol 2000; 27:381-401.
[24] Inder TE, Volpe JJ. Mechanisms of perinatal brain injury. Semin Neonatol 2000;5:3-16.
[25] Carter SL. Developmental Follow-up of Pre-Term Infants at High Risk for Delays. Available in: http://www. comeunity.com/premature/followup.html.
[26] Cunha HL. Desenvolvimento de Crianças Atendidas no Hospital de Pediatria da Universidade Federal do Rio Grande do Norte no Primeiro Ano de Vida: aplicação do teste de Denver II em ambulatório. [dissertação]. Mestrado em Pediatria. São Paulo. Universidade Federal de São Paulo. Escola Paulista de Medicina. 2000.
[27] Spallici MDB, Chiea MA, Zugaib M, et al. Estudo de algumas variáveis maternas relacionadas com a prematuridade. Rev. Med. HU-USP. 2000; 10 (1).
[28] Silva VF, Ceu M, Silva MAG. Prática Sensório - motriz construtiva: efeitos no desenvolvimento de prematuros com disfunções neuromotoras. Revista Fisioterapia Brasil. Rio de Janeiro. 2002; 3(5): 319-326.
[29] Vieira S. Introdução à Bioestatística. Medicina. 3ª Ed. Aliança Sebo Progresso. Rio de Janeiro. 1980.
[30] Frankenburg WK, Dodds J, Archer P, et al. The Denver II: a major revision and restandardization of the Denver developmental screening test. Pediatrics. 1992; 89: 91-7.
[31] Frankenburg WK, Dodds J, Archer P, et al. DENVER II: training manual. 2nd ed. Denver, USA: Denver Developmental Materials; 1992.

[32] Pena DR. Avaliação precoce do desenvolvimento neuropsicomotor em recém-nascidos pré-termo de baixo peso. V Encontro Latino Americano de Pós-Graduação. Universidade do Vale do Paraíba. 2005.p.1443-1445
[33] Caon G, Ries LGK. Triagem do desenvolvimento motor nos dois primeiros anos de vida. Rev Pediatr Moderna.2003. p.248-252.
[34] Rezende MA, Costa OS, Pontes PB. Triagem de desenvolvimento neuropsicomotor em instituições de educação infantil segundo o teste de Denver II. Esc Anna Nery. R Enferm. 2005; 9 (3): 348-355.
[35] Durmazlar N, Ozturk C, Ural B, et al. Turkish children’s performance on Denver II: effect of sex and mother’s education. Dev Med Child Neurol. 1998; 40: 411-416.
[36] Souza SC, Leone C, Takano OA, Moratelli HB. Desenvolvimento de pré-escolares na educação infantil em Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. Cad Saúde Públic. Rio de Janeiro. 2008; 24(8): 1917-1926.
[37] Shore R. Repensando o cérebro: novas visões sobre o desenvolvimento inicial do cérebro. Trad de Iara Regina Brasil. Porto Alegre. Mercado Aberto. 2000.
[38] Rezende AR, Beteli VC, Santos JLF. Avaliação de habilidades de linguagem e pessoal-sociais pelo Teste de Denver II em instituições de educação infantil. Acta Paul Enferm. 2005; 18(1):56-63.
[39] Souza ABG, Siqueira CN. Avaliação do desenvolvimento de um grupo de crianças assistidas em creches, utilizando o Teste de Triagem de Denver II. Rev Cient Profiss Enferm. 2003; 2: 96-103.
[40] Rezende MA, Beteli VC, Lima FG, Santos JLF. Habilidades motoras de crianças de 0 a 3 anos de idade que frequentam creches, segundo o Teste de Triagem de Desenvolvimento de Denver II. Rev SOBEP 2003; 3(2): 75-84.
[41] Andrade CRF. Prevalência das desordens idiopáticas da fala e da linguagem em crianças de um a onze anos de idade. Rev Saúde Pública 1997; 31(5): 495-501.
[42] Moraes MW, Weber APR, Santos MCO, Almeida FA. Teste de Denver II: avaliação do desenvolvimento de crianças atendidas no ambulatório do Projeto Einstein na Comunidade de Paraisópolis. Einstein. 2010; 8(2 Pt 1):149-53.
[43] Biscegli TS, Polis LB, Santos LM, Vicentin M. Avaliação do estado nutricional e do desenvolvimento neuropsicomotor em crianças frequentadoras de creche. Rev Paul Pediatr. 2007; 25(4):337-342.
[44] Halpern R, Barros FC, Horta BL. Desenvolvimento neuropsicomotor aos 12 meses de idade em uma coorte de base populacional no sul do Brasil: diferenciais conforme peso ao nascer e renda familiar. Cad. Saúde Pública. 1996; 12: 73-79.
[45] Frankenburg WK, Dodds J, Archer P. Denver II Technical Manual. Denver, CO: Denver Developmental Materials, inc; 1990. p.33.
[46] Brêtas JRS, Silva MGB, Silva CV. A aplicação do teste de triagem do desenvolvimento de Denver pelo enfermeiro pediatra: relato de caso. Acta Paul. Enferm. 1995; 8(4): 9-18.
[47] Beteli VC. Avaliação de habilidades de linguagem e pessoal sociais pelo Teste de Denver II em instituições de educação infantil. Acta paul. Enferm. São Paulo. 2005.18. n.1 (3).
[48] Beteli VC. Acompanhamento do desenvolvimento infantil em creches. 2006. [dissertação]. Mestrado em Enfermagem Pediátrica. Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo.
[49] Magalhães LC, Barbosa VM, Araújo AR, Paixão ML, Figueiredo EM, Gontijo AP. Análise do desempenho de crianças pré-termo no Teste de Desenvolvimento de Denver nas idades de 12, 18 e 24 meses. Pediatria (São Paulo). 1999; 21:330-339.
[50] Drachler ML. Medindo o desenvolvimento infantil em estudos epidemiológicos: dificuldades subjacentes. J Pediatr. Rio de Janeiro. 2000; 76: 401-403.
[51] Barros F. Fatores de risco para suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor aos 12 meses de vida. Jornal de Pediatria. Porto Alegre. 2000; 76 (6).
[52] Lordelo ER. O papel do adulto e da criança como parceiros do desenvolvimento em Vygotsky. Rev Bras Crescimento Desenvol Hum. 1998; 8: 26-32.
[53] Hasbun JH, Hasbun AN. Infection an preterm birth: epidemiological and biochemical linkage. Rev Chil Infect. 2000; 17 (1): 7-17.
[54] Rezende MA, Lima FG, Beteli VC, Santos JLF. Habilidades de linguagem e social de crianças de 0 a 3 anos cuidadas em creches. Rev Bras Cresc Desenv Hum 2003; 13(1): 40-52.
[55] Borges LC, Salomão NMR. Aquisição da linguagem: considerações da perspectiva da interação social. Psicol Reflex Crít. 2003; 16: 327-336
[56] Manoel EJ. Desenvolvimento motor: padrões de mudança, complexidade crescente. Rev Paul Educ Fís. 2000; 71: 35-54.
[57] Souza KZ, Gomes IMM, Cambraia DS, et al. A Incidência de Recém nascidos de Risco no Serviço de Saúde Publica de Pouso Alegre - MG. Rev Pediatria Moderna. 2001; 37(3): 61-74.
[58] Bennet FC. Early Delay in Motor Development. In: Pediatrics. 2001; 107(4):899-910.
[59] Rugolo LMSS. Crescimento e desenvolvimento a longo prazo do prematuro extremo. J Pediatr. Rio de Janeiro. 2005; 81(1 Supl): S101-110.

[60] Murphy N, Such-Neibar T. Cerebral Palsy diagnosis and management: the state of the art. Curr Probl Pediatr Adolesc Health Care. 2003; 33:146-169.
[61] Morton RE. Diagnosis and classification of cerebral palsy. Current Pediatrics. 2001; 11:64-67.
[62] Formiga CK, Pedrazzani ES, Tudella E. Desenvolvimento motor de lactentes pré-termo participantes de um programa de intervenção fisioterapêutica precoce. Rev Bras Fisioter. 2004; 8: 239-245
[63] Câmara CRV. Amamentação e desenvolvimento neuropsicomotor em lactentes pré-termo e baixo peso do Instituto Materno Infantil de Pernambuco. [dissertação]. Mestrado em Saúde Materno Infantil. Instituto Materno Infantil de Pernambuco. 2004.
[64] Silva MPX, Almeida RR. A prematuridade como fator de risco para o desenvolvimento neuropsicomotor. Universidade da Amazônia – UNAMA. Belém-PA. 2007.
[65] Borges LC, Salomão NMR. Aquisição da linguagem: considerações da perspectiva da interação social. Psicol Reflex Crít. 2003; 16: 327-336.
[66] Sullivan MC, Margaret MM. Perinatal morbidity, mild motor delay, and later school outcomes. Dev Med Child Neurol. 2003; 45:104-112.
[67] Short EJ, Klein NK, Lewis BA, Fulton S, Eisengart S, Kercsmar C, et al. Cognitive and academic consequences of bronchopulmonary dysplasia and very low birth weight: 8-year-old outcomes. Pediatrics. 2003; 12:359-366.

Most read articles by the same author(s)