The role of unions in intellectual, technological and physical education

Main Article Content

Henrique de Oliveira Santos Vieira de Jesus
Diego Santos Vieira de Jesus

Abstract

The aims are to identify the role of unions in intellectual, technological and physical education of the workers and examine the main motivations of Brazilian union centrals for proposing educational initiatives, according to the existing literature on the subject. The central arguments point out that the intellectual education initiatives provided by unions should seek primarily to demonstrate the importance of dialogue in the educational process rather than merely transmit knowledge. The technological education initiatives may take the form of courses, workshops and lectures promoted by such entities, which could predominantly aim at raising workers’ awareness of the notion of “social technology”. The physical education initiatives – many focused on sports practices and body awareness – could predominantly move away from hygienist projects, get closer to the promotion of physical and mental well-being not to improve the workers’ performance in the workplace, but their quality of life outside the workplace, and achieve greater social integration. The authors conclude that, in fact, the most important union centrals in Brazil sought educational initiatives as ways of garnering workers’ support for projects that served the capitalist interests.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
de Oliveira Santos Vieira de Jesus, H., & Santos Vieira de Jesus, D. (2020). The role of unions in intellectual, technological and physical education. International Journal for Innovation Education and Research, 8(3), 333-344. https://doi.org/10.31686/ijier.vol8.iss3.2234
Section
Articles
Author Biography

Henrique de Oliveira Santos Vieira de Jesus, UFRJ

Interdisciplinary Nucleus for Social Development, Federal University of Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil.

References

Antunes, R. 2009. Os Sentidos do Trabalho: ensaios sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo.
Beaud, M. 1987. História do Capitalismo: de 1500 aos nossos dias. São Paulo: Brasiliense.
CGT. 1999. Projeto Político Sindical da CGT. São Paulo: CGT.
CUT. 1988. Resoluções do III CONCUT. Boletim Nacional, 21.
CUT. 1992. Resoluções da V Plenária Nacional. São Paulo: CUT.
Dagnino, R. 2004. A tecnologia social e seus desafios. In: ___. (Org.). Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, pp.187-210.
Dagnino, R.; Brandão, F.C.; Novaes, H.T. 2004. Sobre o marco analítico – conceitual da tecnologia social. In: Dagnino, R. (Org.). Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, pp.15-64.
Dias, E.F. 1996. Capital e Trabalho: a nova dominação. In: Dias, E.F. et al. (Ed.) A Ofensiva Neoliberal, Reestruturação Produtiva e Luta de Classes. Brasília (DF): Sindicato dos Eletricitários de Brasília, 1996.
Dias, L.R.V.; Malina, A; Azevedo, A.C.B. 2019. Um diálogo teórico-metodológico sobre a técnica no pensamento de Vitor Marinho. Motrivivência, 31 (59): 1-21.
Farber, H. 2001. Notes on the Economics of Labour Unions. Princeton University – Working Paper, 452: 1-24.
Feenberg, A. 1991. Critical theory of technology. Nova York: Oxford University Press.
Feenberg, A. 2010. O que é a filosofia da tecnologia? In: Neder, R. (Org.). A teoria crítica de Andrew Feenberg: racionalização democrática, poder e tecnologia. Brasília: CDS / UnB / Capes, pp.49-66.
Força Sindical. 1993. Um Projeto Para o Brasil: a proposta da Força Sindical. 2. ed. São Paulo: Geração Editorial.
Freire, P. 1987. Pedagogia do Oprimido. 17 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Harvey, D. 2013. Para Entender O Capital Livro I. São Paulo: Boitempo.
Henriques, F.C.; Nepomuceno, V.; Alvear, C.A.S. 2015. O conceito de tecnologia: reflexões para a prática da extensão universitária na área tecnológica. In: Addor, F.; Henriques, F.C. (Org). Tecnologia, participação e território: reflexões a partir da prática extensionista. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, pp. 235-258.
Hirschman, A. 1970. Exit, Voice and Loyalty. Cambridge: Harvard University Press.
Lukács, G. 2010. Para uma Ontologia do Ser Social II. São Paulo: Boitempo.
Marinho, V. 2010. Educação Física Humanista. 2 ed. Rio de Janeiro: Shape.
Marinho, V. 2011. O que é Educação Física. 2 ed. São Paulo: Brasiliense.
Marshall, T. H. 1967. Cidadania, Classe Social e Status. Rio de Janeiro: Zahar Editores.
Marx, K. 2014. O Capital: crítica da Economia Política, livro I, vol. 1: o processo de produção do capital. 32 ed. São Paulo: Civilização Brasileira.
Marx, K.; Engels, F. 1983. Textos sobre Educação e Ensino. São Paulo: Moraes.
Mézráros, I. 2011. Para além do capital. São Paulo: Boitempo.
Netto, J.P.; Braz, 2006. M. Economia política: uma introdução crítica. São Paulo: Cortez.
Portugal, P.; Vilares, H. 2013. Sobre os Sindicatos, a Sindicalização e o Prémio Sindical. Boletim Económico/Banco de Portugal, II: 65-76.
Rodrigues, J. 1998. A Educação Politécnica no Brasil. Niterói: EdUFF.
Santana, M.A. 1999. Entre a Ruptura e a Continuidade: visões da história do movimento sindical brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 14 (41): 103-120.
Santos, M. 2000. Por uma Outra Globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record.
Saviani, D. 2003. O choque teórico da politecnia. Trabalho, Educação e Saúde, 1 (1): 131-152.
Souza, J. 2009. Trabalho e formação do trabalhador na trajetória da CUT em tempos de globalização. Revista HISTEDBR On-line, 121-146.
Tavares, M.C. 2000. Prefácio. In: Santos, M. Por uma Outra Globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, pp.2-3.
Vieira Pinto, A. 2005. O Conceito de Tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto.

Most read articles by the same author(s)