Diagnosis of accessibility in the FT/UFAM classrooms

Authors

DOI:

https://doi.org/10.31686/ijier.vol8.iss3.2224

Keywords:

NBR 9050:2004, Classrooms, Accessibility

Abstract

The article analyzes the accessibility problems in the classrooms of the Faculty of Technology of the Federal University of Amazonas (FT/UFAM) based on NBR 9050:2004, to propose suggestions for improvements. The data were collected through a checklist applied in 17 classrooms chosen at random. Besides, measurements and photographic records were performed to compare the reality of the classroom environment by meeting the requirements of this standard. The analysis concluded that most of the measured variables do not satisfy the requirements of NBR 9050:2004. The most critical problems are related to a) the gap in width and height of the doors; b) the width of the corridors between the rows of chairs; c) the signs on the doors; d) the height of installation of the blackboard; e) the absence of desks adaptable and available to a Person in Wheelchair; f) the height for installing sockets; g) the height of the light and air conditioning switches. All of these items were 100% disapproved, as they did not meet the minimum requirements required by the standard. Therefore, several recommendations were suggested to the FT/UFAM managers.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biography

Jonas Gomes da Silva

JonasGomes_Amazon_Brazil.jpg

References

[1] ALCADE, E. A. et.al. Acessibilidade nas faculdades integradas de três lagoas: indivíduos com dificuldade de locomoção, temporária ou permanente. Disponível em: http://www.aems.edu.br/conexao/edicaoanterior/Sumario/2012/downloads/2012/humanas/ACESSIBILIDADE%20NAS%20FACULDADES%20INTEGRADAS%20DE%20TR%C3%8AS%20LAGOAS.pdf. Acesso em: Abril de 2016.
[2] ALMEIDA, P. A. S.; BUENO, C. L.. Acessibilidade de “cadeirantes” no espaço de ensino público: unesp, campus de presidente prudente – sp, 2011. Disponível em: http://revista.fct.unesp.br/index. php/topos/article/viewFile/2283/2088. Acesso em: abril de 2016.
[3] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050:2004 - acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro, 2004.
[4] BITTENCOURT, L. S. et al. Acessibilidade e Cidadania: barreiras arquitetônicas e exclusão social dos portadores de deficiência física. Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária, 2, Belo Horizonte, 2004. Anais... Belo Horizonte, 2004.
[5] CASTRO, S. F.. Ingresso e permanência de alunos com deficiência em universidades públicas brasileiras, 2011. Tese (Doutorado em Educação Especial) – Programa de Pós-Graduação em Educação Especial. Disponível em: http://www.bdtd.ufscar.br/htdocs/tedeSimplificado//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=4149. Acesso em: Abril de 2016.
[6] FERREIRA, A. B. de H. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.
[7] FRESTEIRO, R. H. A influência da iluminação: identificando barreiras. In PRADO, A.R. de A.;
[8] GODINHO, F. Conceito de Acessibilidade. Disponível em http://www.crea-go.org.br/site/acessibilidade. Acesso em: abril de 2015.
[9] INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS. Sistema Nacional de Educação Superior, 2011. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/superior-sinaes. Acesso em: Abril de 2016
[10] MANZINI, E. J. et al. Acessibilidade em ambiente Universitário: identificação e quantificação de barreiras arquitetônicas. In: MARQUEZINI, M. C. et al. (Org.). Educação física, atividades lúdicas e acessibilidade de pessoas com necessidades especiais. Londrina: Uel, 2003. p.185-192 (Coleção Perspectivas Multidisciplinares em Educação Especial, v. 9).
[11] LOPES, M. E. ; ORSTEIN, S.W (Org). Desenho universal: caminhos da acessibilidade no Brasil. 1 ed. São Paulo: Annablume, 2010.p. 117-127.
[12] MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Sistema Nacional de Educação Superior, 2016. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=12303:sistema-nacional-de-avaliacao-da-educacao-superior-sinaes. Acesso em: Abril de 2016.
[13] MOREIRA, S. G. et. al. Estudo ergonômico de instalações de uma instituição de ensino superior pública, outubro de 2013. Disponível em: http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2013_tn_stp_180_028_22747.pdf.Acessoem. Acesso em: Abril de 2016.
[14] NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE DA FCMSCSP. Acessibilidade institucional. Disponível em: file:///C:/Users/Edileu/Desktop/Projeto%20Fina%20lde%20Curso/Artigos%20Acessibilidade/Acessibilidade%20Institucional%20santa%20casa.html. Acesso em: Abril, 2016
[15] REMIÃO, J. L. Acessibilidade em Ambientes escolares: dificuldades dos cadeirantes. Trabalho de Diplomação (Graduação de Engenharia Civil) – Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
[16] ROSSO, M. S. Desenho Universal: arquitetura inclusiva. Disponível em: http://au.pini.com.br/arquitetura-urbanismo/180/arquitetura-inclusiva-acessibilidade-128101-1.aspx. Acesso em: abril de 2016.
[17] SECRETARIA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS. Direitos das Pessoas com Deficiência: Conceitos, Tendências e Desafios, março, 2015. Disponível em: http://www.cnpd.gov.br/wp-content/uploads/Apresentacao-SDH.pdf. Acesso em: 18 abril 2016.
[18] SHEPPARD, M. Social work and social exclusion: the idea of practice. Aldershot: Ashgate, 2006. Acesso em: abril de 2016.

Downloads

Published

01-03-2020

How to Cite

Vinhote Melo, J., Gomes da Silva, J. ., Rodrigues Barreiros, N., Sena de Almeida, E., & de Sousa Pereira, D. . (2020). Diagnosis of accessibility in the FT/UFAM classrooms. International Journal for Innovation Education and Research, 8(3), 215–234. https://doi.org/10.31686/ijier.vol8.iss3.2224

Most read articles by the same author(s)

1 2 3 > >>