COMMUNITY ODONTOLOGY AND FAMILY HEALTH STRATEGY IN DISCUSSION

Contributions and Challenges

Authors

  • J. FERMINO Universidade do Vale do Itajaí, Brazil
  • L. R. da. CUNHA Universidade do Vale do Itajaí, Brazil
  • R. C. G. S LIMA Universidade do Vale do Itajaí, Brazil

DOI:

https://doi.org/10.31686/ijier.vol7.iss8.1780

Keywords:

Education in Health, Community Odontology, Community-Institution Relations, Family Health Strategy

Abstract

This article discusses the way how members of a family, living in a socially vulnerable community, perceive their own health and the community dental practices performed by the Family Health Strategy. The context of the study is the axis on the condition of life of the care model, as recommended by the National Policy of Buccal Health that foresees the approach of the population from their familiar universe and from the social relations experienced in the territory. It is a social study of qualitative, exploratory and descriptive approach carried out in a municipality of Santa Catarina by means of collective interview and adjusted thematic analysis. By means of the category “Bonds in a community cultural reality”, the data analysis revealed that both health and community dental practices are perceived through relations that express the subalternity, the intersubjectivity, the willingness to work, the bond with the evangelical church, life through arts, and sexual violence. The conclusion drawn is that materialization of the model of care, through the axis life conditions of the communities, requires the problematization of professional certainties generated by the hegemonic production of a technical scientism detached from the real life of vulnerable families.

Downloads

Download data is not yet available.

References

BERLINGUER, G. Storia della salute. Firenze: Giunti Editore, 2012.

BIRMAN, P. O poder da fé, o milagre do poder: mediadores evangélicos e deslocamento de fronteiras sociais. Horiz Antropol., v. 18, p. 37, p. 133-153, 2012.

BRASIL. Casa Civil. Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde – SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Brasília: Casa Civil, 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7508.htm. Acesso em: 04 mar. 2019.

BRASIL. Casa Civil. Emenda Constitucional n. 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc95.htm. Acesso em: 04 mar. 2019.

BRASIL. Casa Civil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília: Casa Civil, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm. Acesso em: 04 mar. 2019.

BRASIL. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. Departamento de Atenção Básica. Secretaria de Atenção à Saúde. Ministério da Saúde. Diretrizes da Política Nacional de Saúde Bucal. 2004. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/diretrizes_da_politica_nacional_de_saude_bucal.pdf. Acesso em: 04 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 648, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: MS, 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0648_28_03_2006_comp.html. Acesso em: 04 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436/GM/MS, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: MS, 2017a. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/MatrizesConsolidacao/comum/250584.html. Acesso em: 04 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde bucal. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. (Cadernos de Atenção Básica, n. 17) (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_bucal.pdf. Acesso em: 23 jun. 2019.

BRASIL. Senado Federal. Projeto de Lei da Câmara nº 38, de 2017. Reforma Trabalhista. Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e as Leis nºs 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho. 2017b. Disponível em: https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/129049. Acesso em: 04 mar. 2019.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Capitalismo financeiro-rentista. Estudos avançados, v. 32, n. 92, p. 17-29, jan./abr. 2018.

COSTA, S. M. et al. Desigualdades na distribuição da cárie dentária no Brasil: uma abordagem bioética. Ciênc Saúde Colet., v. 18, n. 2, p. 461-470, fev. 2013.

FLORENTINO, B. R. B. As possíveis consequências sobre abuso sexual praticado contra crianças e adolescentes. Fractal rev psicol., v. 27, n. 2, p. 139-144, 2015.

GRAMSCI, A. Quaderni del carcere. 3. ed. A cura di Valentino Gerratana, v. 1. Torino: Einaudi, 2007.

GOES, M. C. R. A formação do indivíduo nas relações sociais: Contribuições teóricas de Lev Vigostski e Pierre Janet. Educ Soc., v. 21, n. 71, p. 116-131, jul. 2000.

LIMA, R. C. G. S. Reconhecendo o desafio latente na história: periodização contextualizada dos modelos de saúde bucal. Saúde Transform Soc., v. 8, n. 2, p. 5-25, 2017.

MACIAZEKI-GOMES, R. C. et al. O trabalho do agente comunitário de saúde na perspectiva da educação popular em saúde: possibilidades e desafios. Ciênc Saúde Colet., v. 21, n. 5, p. 1637-1646, 2016.

MENDES, E. V. As políticas de saúde no Brasil nos anos 80: a conformação da reforma sanitária e a construção da hegemonia do projeto neoliberal. In: MENDES, E. V. (org.). Distrito sanitário: o processo social de mudança das práticas sanitárias do Sistema Único de Saúde. São Paulo: Hucitec, 1994. p. 159-185.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

MORAES, R. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999.

NARVAI, P. C. Odontologia e saúde bucal coletiva. Rio de Janeiro: Hucitec, 1994.

NARVAI, P. C.; FRAZÃO, P. Saúde bucal no Brasil: muito além do céu da boca. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2008.

NEVES, R. G. et al. Tendência temporal da cobertura da Estratégia Saúde da Família no Brasil, regiões e Unidades da Federação, 2006-2016. Epidemiol. Serv. Saúde, v. 27, n. 3, e2017170, 2018.

RIBEIRO, J. M.; MOREIRA, M. R. A crise do federalismo cooperativo nas políticas de saúde no Brasil. Saúde debate, v. 40, n. especial, p. 14-24, dez. 2016.

SÃO PAULO. Prefeitura de São Paulo. Assistência e Desenvolvimento Social. Cras – Centro de Referência de Assistência Social. 2019. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/assistencia_social/cras/index.php?p=1906. Acesso em: 04 mar. 2019.

SCARDOELLI, M. G. C.; WAIDMAN, M. A. P. "Grupo" de artesanato: espaço favorável à promoção da saúde mental. Esc. Anna Nery, v. 15, n. 2, p. 291-299, 2011.

SCHRAMM, F. R. A bioética de proteção: uma ferramenta para a avaliação das práticas sanitárias? Ciênc Saúde Colet., v. 22, n. 5, p. 1531-1538, 2017.

SCHULER, B. R. Health Perceptions and Quality of Life among Low-Income Adults. Health Soc Work, v. 40, n. 3, p. 225-232, ago. 2015.

SEPPILLI, T. Saúde e antropologia: contribuições à interpretação da condição humana em ciências da saúde. Interface (Botucatu), v. 15, n. 38, p. 903-914, 2011.

SHORROCKS, A.; DAVIES, J.; LLUBERAS, R. Thought leadership from Credit Suisse Research and the world's foremost experts. Geneva: Research Institute; 2014.

SOARES, C. L. M. et al. O movimento da Saúde Bucal Coletiva no Brasil. Ciênc Saúde Colet., v. 22, n. 6, p. 1805-1816, 2017.

SOUSA, L.; RIBEIRO, C. Percepção das famílias multiproblemáticas pobres sobre as suas competências. Psicologia, v. 19, n. 1-2, p. 169-181, 2005.

TESSER, C. D.; PEZZATO, L. M.; SILVA, E. M. Medicalização social e odontologia: possíveis aproximações. Saude soc., São Paulo, v. 24, n. 4, p. 1349-1361, 2015.

VIANA, E. C. L.; LIMA, R. C. G. S. Acolhimento na estratégia saúde da família: uma proposta de reorganização do acesso. Revista Brasileira de Tecnologias Sociais, v. 5, n. 1, p. 1-9, 2018.

ZANETTE, M. S. Pesquisa qualitativa no contexto da Educação no Brasil. Educar em Revista, Curitiba, n. 65, p. 149-166, jul./set. 2017.

Downloads

Published

31-08-2019

How to Cite

FERMINO, J. ., CUNHA, L. R. da. ., & LIMA, R. C. G. S. . (2019). COMMUNITY ODONTOLOGY AND FAMILY HEALTH STRATEGY IN DISCUSSION: Contributions and Challenges. International Journal for Innovation Education and Research, 7(8), 319–331. https://doi.org/10.31686/ijier.vol7.iss8.1780