VALUES, SIGNIFICANCE AND MOTIVATION AT WORK OF PRISON OFFICERS OF TWO DETENTION CENTERS IN BRAZIL

Main Article Content

LILIA APARECIDA KANAN
http://orcid.org/
BRUNA MANTOVANI DONDÉ, MsC

Abstract

The constructs values, significance of work and motivation represent key aspects to be considered in the career of any professional. In this study, the researchers’ interest was focused on detention officers working in prisons in the state of Santa Catarina, Brazil. Chiefly, the study aimed to investigate the prison officers’ values, motivation, significance of work based on their viewpoints. The study had 137 participants, of which 36 were female officers and 101 male officers. The methodological design of this research characterizes it as an applied, cross-sectional, descriptive, and quantitative survey. The instruments for data collection were the following: a sociodemographic questionnaire developed by the researchers for characterization of the sample; the Work Values Scale (WVS), validated in Brazil by Porto and Tamayo (2003), and the Inventory of Work Motivation and Meaning (IWMM), validated in Brazil by Borges and Alves Filho (2003). For data analysis, resources of descriptive statistics were used. Thus, this study took up the challenge of being a dialectical approach to the phenomenon in focus, based on the conception of work in a prison setting. The results show that to achieve professional stability, earn fair economic rewards and take up responsibilities are aspects of vital importance for the majority of the prison officers. The significance of work is directly associated with personal and family survival and the responsibility that they have both in the work and family contexts. Their motivation is associated with security and dignity. The main work-related aspect valued by prison officers is stability and the less important is prestige. At the end of the process of researching and producing knowledge, it is important to emphasize that important aspects about the prison officers’ work relations emerged, an activity that is intertwined by social stigmas that can affect all their living environments.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
KANAN, L., & DONDÉ, B. (2018). VALUES, SIGNIFICANCE AND MOTIVATION AT WORK OF PRISON OFFICERS OF TWO DETENTION CENTERS IN BRAZIL. International Journal for Innovation Education and Research, 6(10), 175-186. https://doi.org/10.31686/ijier.Vol6.Iss10.1177
Section
Articles

References

[1] Almeida, D. M. et al. (2018). Percepção discente sobre âncoras de carreira e valores relativos ao trabalho. REA-Revista Eletrônica de Administração, 2018, 16 (1), p. 102-120. Available in http://periodicos.unifacef.com.br/.index.php/ rea/article/view/1312.
[2] Alves Filho, A., & Borges, L. O. A (2014). A Motivação dos Profissionais de Saúde das Unidades Básicas de Saúde. Psicologia: Ciência e Profissão, 34(4), 984-1001. https://dx.doi.org/10.1590/1982-370001082013
[3] Antunes, R. (Org.) (2006). Riqueza e miséria do trabalho. São Paulo: Boitempo.
Araújo, L.F.S. et al. (2013). Diário de pesquisa e suas potencialidades na pesquisa qualitativa em saúde. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde, 15 (3), p. 53-61.
[4] Assêncio, E. (2008). Contribuição ao estudo da influência dos valores no desempenho empresarial. (Dissertação de Mestrado). Universidade Católica de Santos, Santos, SP, Brazil. Available in http://biblioteca.unisantos.br:8181/handle/tede/463
[5] Bonez, A., Dal Moro, E. & Sehnem, S. B. (2013). Saúde mental de agentes penitenciários de um presídio catarinense. Psicologia Argumento, 31(74), p. 507-517. Available in https://periodicos.pucpr.br/index.php/psicologiaargumento/article/view/20585 doi:http://dx.doi.org/10.7213/psicol.argum.31.074.AO05
[6] Borges, L. O. & Mourão, L. (Orgs.). (2013). O Trabalho e as Organizações: atuações a partir da Psicologia. São Paulo: Artmed.
[7] Borges, L. O. & Alves Filho, A. (2003). A estrutura fatorial do Inventário do Significado e Motivação do Trabalho, IMST. Avaliação Psicológica, 2 (2), p.123-145.
[8] Borges, L. O. & Alves Filho, A. (2001). A mensuração da motivação e do significado do trabalho. Estudos de Psicologia, 6 (2), p. 177-194.
[9] Burrell, G. & Morgan, G. (1979). Sociological paradigms and organisational analysis: elements of sociology of corporate life. London: Heinemann.
[10] Cahú, S. M. A. C. (2013). Valores relativos ao trabalho e o comprometimento organizacional em um resort internacional no nordeste do Brasil. (Dissertação de Mestrado em Administração). Universidade Potiguar. Natal, RN. Brazil. Available in http://editora.unoesc.edu.br/index.php/race/article/view/7141
[11] Caldas, P. K. R. & Alves Filho, A. (2007). Fatores motivacionais determinantes do vínculo com o trabalho: o caso de uma instituição de ensino superior. Revista da FARN. 6. p.53-67.
[12] Cammarosano, M., Santos, F. C. A. & Rojas, F. A. (2014). Valores relativos ao trabalho de pesquisadores em uma organização brasileira. RAE-Revista de Administração de Empresas, 54 (4), p. 445-457. Available in https://dx.doi.org/10.1590/S0034-759020140409
[13] Correia, A. P. (2006). Uma análise dos fatores de risco da profissão do agente penitenciário: Contribuições para uma política de segurança e saúde na gestão penitenciária. Available in http://www.depen.pr.gov.br/arquivos/File/ADEMILDO_%20PASSOS_CORREIA2006.pdf
[14] DEPEN - Departamento de Execução Penal do Paraná. (2016). Manual do Agente Penitenciário. Available in www.depen.pr.gov.br/arquivos/File/manual_agente_pen.pd
[15] Esteves, M. L. M. (2008). Valores Individuais e Valores Relativos ao Trabalho. Estudos dos Norteadores da Atuação de Profissionais de Recursos Humanos. (Mestrado em Administração). Faculdade Novos Horizontes. Belo Horizonte: Available in http://www.unihorizontes.br/mestrado2/valores-individuais-e-valores-relativos-ao-trabalho-estudo-dos-norteadores-da-atuacao-de-profissionais-de-recursos-humanos/
[16] Estivalete, V. F. B., Andrade, T., Gomes, T. C. & Costa, V. F. (2012).Valores Organizacionais no Brasil: uma análise da produção científica na área da administração nos últimos 10 anos. Gestão Contemporânea, 9 (12), p. 43-68.
[17] Fagundes, F. E., Costa, C. J. & Moreira, S. A. T. (2017). Qualidade de Vida no Trabalho: o caso dos agentes penitenciários em um Centro de Detenção Provisória do Rio Grande do Norte. Research, Society and Development, 5 (2), p. 109-123.
[18] Garcia Reis, J. F., Souza, J. L. C., Cardoso, L. F. & Brito, D. C. (2012). Agentes prisionais: percepções e conflitos de uma profissão. Anais do XV Encontro de Ciências Sociais do Norte e Nordeste e Pré-alas Brasil. Teresina, Piauí, Brazil. Available in http://www.sinteseeventos.com.br/ciso/anaisxvciso/resumos/GT25-12.pdf
[19] Góes, A. (2006). Valores Relativos ao Trabalho como antecedentes do Comprometimento Organizacional. 2006. (Dissertação de Mestrado em Psicologia).Universidade de Brasília, Distrito Federal. Available in https://bdtd.ucb.br:8443/jspui/handle/123456789/1874
[20] Gomes, B. P. O. (2014). Significado e a motivação do trabalho para estagiários. Escola Nacional de Administração Publica. Available in http://repositorio.enap.gov.br/handle/1/2660.
[21] Jaskowiak, C. R. & Fontana, R. T. (2015). O trabalho no cárcere: reflexões acerca da saúde do agente penitenciário. Revista Brasileira de Enfermagem, 68 (2), p. 235-243.
[22] Lancman, S. & Uchida, S. (2003). Trabalho e subjetividade: o olhar da psicodinâmica do trabalho. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 6, 79-90. Available in http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-37172003000200006&lng=pt&tlng=pt
[23] Lourenço, L. C. (2010). Batendo a tranca: Impactos do encarceramento em agentes penitenciários da região metropolitana de Belo Horizonte. Dilemas - Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, 3 (10), p. 11-31.
[24] Magalhães, S. L. & Rosa, H. M. F. (2017). O fator humano na organização: características motivacionais da equipe de enfermagem de um hospital público do interior de Rondônia. Rev. Adm. Saúde. 17 (68). Available in http://dx.doi.org/10.23973/ras.68.38
[25] Maximiano, A. C. A. (2011). Teoria geral da administração. 1.ed. São Paulo: Atlas.
[26] Morin, E. M. (2001). Os sentidos do trabalho. Revista de Administração de Empresas, 41 (3), p. 08-19.
[27] Morin, E. M. (2002). Os sentidos do trabalho. GV-executivo, 1 (1), p.71-75.
[28] Morin, E. M. (2004, August). The meaning of work in modern times. Conference. In 10 th World Congress of Human Resources Management (Vol. 20). Rio de Janeiro, Brazil, August, 20th. Available in https://uiamaket.files.wordpress.com/2015/03/estelle-2004-the-meaning-of-work-in-modern-times-pdf.pdf
[29] Oliveira, D. P. R. (2008). Teoria geral da administração: uma abordagem prática. São Paulo: Atlas.
[30] Paiva, K. C. M. & Dutra, M. R. S. (2017). Valores Organizacionais e Valores do Trabalho: um estudo com operadores de CallCenter. Cad. EBAPE, 15 (1), p. 40-62.
[31] Paiva, K. C. M., Torres, A. D. & Luz, T. R. (2014).Valores Organizacionais e do Trabalho: um estudo em uma empresa de serviços de vigilância privada. Teoria e Prática em Administração. 4(2), p. 96-130. Doi: https://doi.org/10.21714/tpa.v4i2.16518
[32] Porto, J. & Tamayo, Á. (2003). Escala de Valores Relativos ao Trabalho – EVT. Psicologia, Teoria . e Pesquisa, 19 (2), p.145-152.
[33] Pozzobom, J., Madruga, L. R. R. G., Ávila, L. V. & Beuron, T. A. (2014). Valores no Trabalho de Gestores de Organizações de Saúde: um estudo em um Hospital Público Federal. Revista Gestão & Tecnologia. 14 (3), p. 203-218.
[34] Santiago, L. A. A. (2009). Penitenciárias femininas. (Trabalho de Conclusão de Especialização). Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná, Brazil. Available in
https://www.acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/35167/SANTIAGO,%20LUCY%20ATENA%20DE%20AQUINO.pdf?sequence=1
[35] Santos, S. T. (2014). Os Sentidos do Trabalho para os Agentes Penitenciários: Uma análise na Cadeia Pública de Salvador. Revista Formadores. 7 (2), p. 19.
[36] Silva, G. C. D., Kemp, V. H., Carvalho-Freitas, M. N., & Brighenti, C. R. G. (2015). Significado do trabalho voluntário empresarial. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 15(2), 157-169.
[37] Silva, G. C. D., Kemp, V. H., Carvalho-Freitas, M. N., & Brighenti, C. R. G. (2015). Significado do trabalho voluntário empresarial. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 15(2), 157-169.
[38] Silveira J.T. (2009). “Se tirar o colete não dá pra saber quem é preso, quem é agente”: Trabalho, identidade e prisionização. Anais do I Seminário Nacional Sociologia & Política, Curitiba, Paraná, Brazil. Available in http://www.humanas.ufpr.br/site/evento/SociologiaPolitica/GTs-ONLINE/GT4/EixoII/tirar-colete-JosleiSilveira.pdf
[39] Siqueira, K. C. L., Silva, J. M. & Angnes, J. S. (2017). “Cuidar de preso?!”: os sentidos do trabalho para agentes penitenciários. Revista de Ciências da Administração, p. 84-95, ago. Available in https://periodicos.ufsc.br/index.php/adm/article/view/2175-8077.2017v19n48p84
[40] Siqueira, S. D. S. (2014). A influência das condições físicas de trabalho na (des)motivação dos servidores: um estudo de caso na Secretaria de Comunicação do município de Santana de Parnaíba - SP. (Especialização em Gestão Pública). Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Pato Branco, Paraná, Brazil. Available in http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/6047
[41] Siqueira, W. (2002). Avaliação de Desempenho: uma ferramenta estratégica. São Paulo: Reichmann & Affonso.
[42] Soto, E. (2002). Comportamento organizacional. São Paulo: Thomson.
[43] Souza, I. C. B. (2015). O agente de segurança prisional e a ressocialização sob a perspectiva do preso e da lei: um estudo na unidade prisional de Catalão–GO. (Dissertação de Mestrado em Gestão Organizacional). Universidade Federal de Goiás. Catalão, Goiás, Brazil. Available in http://ppggo.sistemasph.com.br/images/documentos/dissertacoes/2013/ISABEL_CRISTINA_BAPTISTA_DE_SOUZA.pdf
[44] Volpi, J. H. & Volpi, S. M. (2004). Reich: Análise Bioenergética. Curitiba: Centro Reichiano.