Technological development of the Western Amazon: financing of research and development projects by the Amazon Informatics Law

Main Article Content

Mayana Fernandes Veras
Claudete Barbosa Ruschival
Karla Mazarelo Maciel Pacheco

Abstract

The Amazon Informatics Law derives from a National Law, but is specific to the northern region, except for Tocantis and Pará states and, in partnership with the Zona Franca de Desenvolvimento - ZFM (Development Free Zone) project regulated by the Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA (Superintendence of the Manaus Free Zone), it aims to be a public policy to promote social development. It was questioned how the process of execution of this Law works and what would be the impacts resulting from its execution. The objective of this research is to know the process of execution of Research and Development - R&D projects based on the Amazon Informatics Law. For this understanding, a descriptive and documentary research was done to understand the current situation of R&D in the Western Amazon, and through an interview and case study, it was possible to understand and delineate the process itself.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Veras, M., Ruschival, C., & Pacheco, K. M. (2018). Technological development of the Western Amazon: financing of research and development projects by the Amazon Informatics Law. International Journal for Innovation Education and Research, 6(10), 53-64. https://doi.org/10.31686/ijier.Vol6.Iss10.1166
Section
Articles
Author Biographies

Claudete Barbosa Ruschival, Universidade Federal do Amazonas

Programa de Pós Graduação em Design

Karla Mazarelo Maciel Pacheco, Universidade Federal do Amazonas

Programa de Pós Graduação em Design

References

[1] A.C. Gil, Como elaborar projetos de pesquisa, Atlas, São Paulo, 2002.

[2] A.R.R. Costa, N.M. Barbosa, R. Sbragia, N.S. Marques, and A.S. Guimarães, Análise dos entraves e facilitadores no processo de obtenção de recursos para P&D na Amazônia Ocidental, EAD/FEA/USP, São Paulo, 2017.

[3] Brasil, Decreto nº 91.146, de 15 de março de 1985. Cria o Ministério da Ciência e Tecnologia e dispõe sobre sua estrutura, transferindo-lhe os órgãos que menciona, e dá outras providências, Diário Oficial, Brasília, 1985.

[4] Brasil, Indicadores Nacionais de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2017, MCTIC, Brasília, 2017.

[5 ] Brasil, Lei nº 13.341, de 29 de setembro de 2016. Altera as Leis nos 10.683, de 28 de maio de 2003, que dispõe sobre a organização da Presidência da República e dos Ministérios, e 11.890, de 24 de dezembro de 2008, e revoga a Medida Provisória no 717, de 16 de março de 2016, Diário Oficial, Brasília, 2016.

[6] Brasil, Lei nº 8.248, de 23 de outubro de 1991. Dispõe sobre a capacitação e competitividade do setor de informática e automação, e dá outras providências, Diário Oficial, Brasília, 1991.

[7] Brasil, Lei nº 8.387, de 30 de dezembro de 1991. Dá nova redação ao § 1° do art. 3° aos arts. 7° e 9° do Decreto-Lei n° 288, de 28 de fevereiro de 1967, ao caput do art. 37 do Decreto-Lei n° 1.455, de 7 de abril de 1976 e ao art. 10 da Lei n° 2.145, de 29 de dezembro de 1953, e dá outras providências, Diário Oficial, Brasília, 1991.

[8] C. Silva, F. Ieis, and M. F. Junior, “As Interfaces da Política de Ciência, Tecnologia e Inovação com a Política Industrial: Dilemas na Trajetória Recente do Brasil. Desenvolvimento em Questão,” Editora UNIJUI, Rio Grande do Sul, 2015 pp. 60-100.

[9] C.G.B. Feitoza, Conceitos e definições acerca da lei de informática: sua aplicação como ferramenta de incentivo a pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica do setor da tecnologia da informação no Brasil. Congresso Nacional de Excelência em Gestão, Inovarse, Rio de Janeiro, 2015.

[10] H.M. Barros, D.P. Claro, and F.R. Chaddad, “Políticas para a inovação no Brasil: efeitos sobre os setores de energia elétrica e de bens de informática,” Revista de Administração Pública – RAP, Rio de Janeiro, 2009, pp. 1459-1486.

[11] J. Tidd, and J. Bressant, Gestão de Inovação, Bookman, Porto Alegre, 2015.

[12] J.M.C. Jardim, “Caminhos e perspectivas da gestão de documentos em cenário de transformações,” Acervo, Rio de Janeiro, 2015 pp.19-50

[13] L.R. Gonçalves, A.M. Mello, and A.S. Torres, Composição de carteira de projetos de P&D com recursos públicos: dificuldades e soluções, RAI - Revista de Administração e Inovação, São Paulo, 2015.

[14] M.R. de Bastos, Levantamento de Boas Práticas Internacionais e de Práticas da Gestão da Qualidade para Avaliação de P&D, Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Brasília, 2016 pp.1-59.

[15] MDIC. Levantamento de requisitos e especificidades da Lei de Informática na SUFRAMA. Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, MDIC, Brasília, 2016.

[16] R.F. Silva, and F.C.L. Melo, “Modelos Híbridos de Gestão de Projetos Como Estratégia na Condução de Soluções em Cenários Dinâmicos e Competitivos,” Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, São Paulo, 2016 pp. 443-457.

[17] R.K. Yin, Estudo de caso – planejamento e métodos, Bookman, Porto Alegre, 2001.

[18] SUFRAMA. Histórico ZFM. Superintendência da Zona Franca de Manaus, 2015.