DIAGNOSIS OF BRAZILIAN SCHOOL TEACHERS ABOUT THE PREVENTION AND USE OF CRACK BY THE NEW COMMUNICATION TECHNOLOGIES

Main Article Content

Maykon Anderson Pires de Novais
Márcia Mello Costa De Liberal
Paola Zucchi
Solange Aparecida Nappo

Abstract

This article presents a study on awareness about the use of illicit drugs, more specifically crack, first seen as a health problem, allowing a reflection on the possibilities of improvement in the training process for professionals in the area of education, with emphasis on the public network. Based on the information obtained by the research carried out with a sample of teachers, the massive availability of databases and scientific journals is a salutary alternative to the dissemination of scientific and systematized knowledge. The populations studied are part of a region concentrated around centers of excellence in research and dissemination of information through Information and Communication Technologies as innovative tools at the service of educational institutions in this multidisciplinary initiative. The study leads to a worrying reality, considering the importance of the professionals studied in the prevention and care to the drug user in the figure of the student.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
de Novais, M. A., De Liberal, M., Zucchi, P., & Nappo, S. (2018). DIAGNOSIS OF BRAZILIAN SCHOOL TEACHERS ABOUT THE PREVENTION AND USE OF CRACK BY THE NEW COMMUNICATION TECHNOLOGIES. International Journal for Innovation Education and Research, 6(3), 42-59. Retrieved from http://ijier.net/index.php/ijier/article/view/982
Section
Articles
Author Biographies

Maykon Anderson Pires de Novais, Federal University of São Paulo (Unifesp)

Department of Informatics in Health

Márcia Mello Costa De Liberal, Federal University of São Paulo (Unifesp)

Department of Medicine - Discipline of Economics and Management in Health

Paola Zucchi, Federal University of São Paulo (Unifesp)

Department of Medicine - Discipline of Economics and Management in Health

Solange Aparecida Nappo, Federal University of São Paulo (Unifesp)

Department of Preventive Medicine

References

[1] Ayres, M. A. C., Araújo, E. A. Sd, Kamimura, Q. P. Influência e inclusão das tecnologias da informação no processo ensino-aprendizagem. Latin American Journal of Business Management. 2015;5(2178-4833).
[2] Durkheim, E. Educação e Sociologia. São Paulo: Melhoramentos, 1980.
[3] Carrillo, E. R. Lo cualitativo en la investigación y su actualidad. Psicología para América Latina, n. 2, p. 0-0, 2004.
[4] Madureira, A. F. D. A. A construção das identidades sexuais não-hegemônicas: gênero, linguagem e constituição da subjetividade. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2000.
[5] Pope, C.; Ziebland, S.; Mays, N. Analysing qualitative data. British Medical Journal, p. 320, 2000.
[6] Patton, M. Q. Qualitative Evaluation and Research Methods. London: Sage Publications, 2002. 530p.
[7] Victora, C. G.; Knauth, D. R.; Hassen, M. D. N. A. Qualitative research on health: an introduction to the subject. Tomo Editorial, 2000. ISBN 8586225169.
[8] WHO. World Health Organization. Qualitative Research for health programmes. Geneva: Division of Mental Health, World Health Organization, 1994. 102p.
[9] Duarte, R. Pesquisa qualitativa: reflexões sobre o trabalho de campo. Cadernos de pesquisa. 2002;115(1):139-54.
[10] Creswell, J. W. Qualitative Inquiry and Research Design: choosing among five traditions. Thousand Oaks: Sage Publications, 1998.
[11] Biernacki, P.; Waldor, D. Snowball sampling–problems and techniques of chain referral sampling. Sociological Methods & Research, 1981.
[12] Minayo, M. C. D. S.; Sanches, O. Quantitativo-qualitativo: Oposição ou complementariedade? Cadernos de Saúde Pública, v. 9, n. 3, 1993.
[13] Ribeiro, E. T. Introdução à Metodologia da Pesquisa Clínico-Qualitativa Definição e Principais Características. Revista Portuguesa de Psicossomática, v. 2, n. 1, p. 93-108, 2000.
[14] Britten, N. Qualitative research: qualitative interviews in medical research. Revista BMJ, v. 311, n. 6999, p. 251-253, 1995.
[15] Nogueira-Martins, M. C. F.; Bógus, C. M. Considerações sobre a metodologia qualitativa como recurso para o estudo das ações de humanização em saúde. Saúde e Sociedade, v. 13, n. 3, p. 44-57, 2004.
[16] Denzin, N. K.; Lincoln, Y. S. Introduction: The discipline and practice of qualitative research. In: (Ed.). The Sage Handbook of Qualitative Research. California: Sage Publications, 2005.
[17] Bardin, L. Análise de Conteúdo. 3ª. Lisboa: Edições 70, 2004.
[18] Faria, I. G.; Souza, L. D. F. R.; Fernandes, E. A. Métodos informatizados contribuem para o ensino da Matemática: utilização do geogebra para o ensino de geometria - Revisão bibliográfica. Revista Eletrônica de Educação e Ciência, v. 5, n. 1, p. 65-70, 2015.
[19] Oliveira, L. G.; Nappo, S. A. Crack na cidade de São Paulo: acessibilidade, estratégias de mercado e formas de uso. Rev Psiquiatr Clín, v. 35, p. 212-218, 2008.
[20] Moran, J. M. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Papirus Editora, 2000.
[21] Lopes, I. L. Novos paradigmas para avaliação da qualidade da informação em saúde recuperada na Web. Ciência da Informação, v. 33, n. 1, p. 81-90, 2004.
[22] Carlini, E. V. Levantamento Nacional sobre o consumo de drogas psicotrópicas entre estudantes do ensino fundamental e médio da rede pública de ensino nas 27 capitais brasileiras: 2004. In: (Ed.). V Levantamento Nacional sobre o Consumo de Drogas Psicotrópicas entre Estudantes do Ensino Fundamental e Médio da Rede Pública de Ensino nas 27 Capitais Brasileiras: 2004, UNIFESP Centro Brasileiro de informações sobre Drogas Psicotrópicas, 2005.
[23] Sodelli, M. A abordagem proibicionista em desconstrução: compreensão fenomenológica existencial do uso de drogas. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, n. 3, p. 637-644, 2010.
[24] Scivoletto, S.; Morihisa, R. Conceitos básicos em dependência de álcool e outras drogas na adolescência. Jornal Brasileiro de Dependência Química, v. 2, n. 1, p. 30-33, 2001.
[25] Ferreira, T. C. D., Van der Meer Sanchez, Z., Ribeiro, L. A., de Oliveira, L. G., Nappo, S. A., Ferreira, T. Percepções e atitudes de professores de escolas públicas e privadas perante o tema drogas. Interface-Comunic, Saude, Educ. 2010;14(34):551-62.
[26] Moreira, A.; Vóvio, C. L.; De Micheli, D. Prevenção ao consumo abusivo de drogas na escola: desafios e possibilidades para a atuação do educador. Educação e Pesquisa, v. 41, n. 1, p. 119-135, 2015.
[27] Pedrosa, S. C. et al. Educação em saúde com adolescentes acerca do uso de álcool e outras drogas. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 2015.
[28] Sanchez, Z. M. et al. O papel da informação como medida preventiva ao uso de drogas entre jovens em situação de risco. Ciênc. Saúde coletiva. Rio de Janeiro, vol.16 supl.1, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000700058.
[29] Romanini, M.; Roso, A. Or Reinforcing Relations Of Domination? Medios Y Crack: ¿Promoviendo Salud O Reforzando Relaciones De Dominación? Psicologia: Ciência e Profissão, v. 32, n. 1, p. 82-97, 2012.
[30] Brasil, M. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1998.