The follow-up of alumni as a strategic action in Brazilian universities

Main Article Content

Claudia Prim Correa Cibele Barsalini Martins Areli Andreia dos Santos

Abstract

In Brazilian universities, considered as the complex organization because of its multiple objectives, high specialization and low degree of coordination, the follow-up of alumni presents itself as a strategic action. The purpose of following-up alumni consists in obtaining information that enables evaluating the impact of graduate programs on the professional and academic practice of alumni, as well as enhance the qualification of regular students. Taking these aspects into consideration, in this theoretical work we discuss aspects related to Brazilian universities and the follow-up of alumni as a strategic action in this context.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Correa, C., Martins, C., & dos Santos, A. (2017). The follow-up of alumni as a strategic action in Brazilian universities. International Journal for Innovation Education and Research, 5(12), 169-179. Retrieved from http://ijier.net/ijier/article/view/881
Section
Articles

References

Agostinho, M. C. E (2003). “Administração complexa”: revendo as bases científicas da Administração. ERA Eletrônica, 2(1), 1-18.
Alcadipani, R (2011). Academia e a fábrica de sardinhas. O&S, 18(57), 345-348.
Andriguetto Junior, H.; Meyer Junior, V.; Pascucci, L.; Santos, A (2011). Estratégias Acadêmicas e suas manifestações – o discurso e a prática. Revista GUAL. Florianópolis, 4(3), 126-152.
Bertero, C. O.; Alcadipani, R.; Cabral, S.; Rossoni, AA. F. L. (2013). Os desafios da produção de conhecimento em Administração no Brasil. EBAPE, 11(1), 181-196.
Borges, D. F.; Araújo, M. A. D. (2001). Uma experiência de planejamento estratégico em universidade: o caso do Centro de Ciências Sociais Aplicadas na UFNR. RAP, 35(4), 63-76.
CAPES (2017a). História e missão. Disponível em: Acesso em 10 de ago. de 2016.
CAPES (2017b). Sobre a avaliação. Disponível em: Acesso em 10 de ago. de 2016.
Dantas, F. (2004). Responsabilidade social e pós-graduação no Brasil: idéias para (avali)ação. RBPG, 1(2), 106-172.
Maccari, E. A.; Almeida, M. I. R.; Nishimura, A. T.; Rodrigues, L. C. (2009). A gestão dos programas de Pós-graduação em Administração com base no sistema de avaliação da CAPES. Revista de Gestão USP, 16(4), 1-16.
Maccari, E. A.; Teixeira, G. C. S. (2014). Estratégia e planejamento de projeto para acompanhamento de alunos egressos de programas de pós-graduação stricto-sensu. Rev. Adm. UFSM, 7(1), 101-116.
Mancebo, D; Vale, A. A.; Martins, T. B. (2015). Política de expansão da educação superior no Brasil. Revista Brasileira de Educação, 20(6), 31-50.
Martins, C. B.; Maccari, E. A.; Stropoli, J. E.; Almeida, M. I. R.; Riccio, E. L. (2012). A influência do sistema de avaliação nos programas de pós-graduação stricto sensu brasileiro. Revista GUAL, 5(3), 155-178.
Meyer Junior, V.; Pascucci, L.; Mangolin, L. (2012). Gestão estratégica: um exame de práticas em universidades privadas. RAP, 46(1), 49-70.
Morin, E. (2005). Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand, Brasil, 8ª edição.
Moritz, G. O.; Moritz, M. O.; Melo, P. A. M. (2011). A pós-graduação brasileira: evolução e principais desafios no ambiente de cenários prospectivos. XI Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária na América do Sul, Florianópolis.
Moritz, M. O.; Moritz, G. O.; Melo, M. B.; Silva, F. M. (2012). A implantação do planejamento estratégico em organizações complexas: o caso da Universidade do Estado de Santa Catarina. Revista GUAL. Florianópolis, 5(1), 228-249.
Naveira, R. B. (1998). Caos e complexidade nas organizações. Revista da Administração Pública. Rio de Janeiro, 32(5), 69-80.
Ortigoza, S. A. G.; Poltronieri, L. C.; Machado, L. M. C. P. (2012). A atuação profissional dos egressos como importante dimensão no processo de avaliação de programas de pós-graduação. Revista Sociedade e Natureza, 24(2), 243-253.
Paiva, A. M. (2006). Rumos e Perspectivas do Egresso do Programa de Pós-Graduação Stricto-Sensu. Dissertação de Mestrado, PUC-Campinas, Campinas, São Paulo.
Serva, M. (1992). O paradigma da complexidade e a análise organizacional. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, 32(2), 26-35.
Souza, I. M. (2009). Gestão das universidades federais brasileiras: uma abordagem fundamentada na gestão do conhecimento. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.
Teixeira, G. C. S. (2015). Desenvolvimento de uma sistemática para acompanhamento de alunos e egressos sob a perspectiva da gestão de projetos. Dissertação de mestrado, Universidade Nove de Julho, São Paulo.
Tôrres, J. J. M. (2005). Teoria da complexidade: uma nova visão de mundo para a estratégia. Integra Educativa. Curitiba, 2(2).
Vercesi, A.; Hogan, D. J.; Chambouleyron, I.; Martinez, J. M. (2002). Os desafios da pesquisa no Brasil. Caderno Temático – Suplemento do Jornal da Unicamp, 1(12).