HEALTH ACTIVIST EDUCATION FOR BRAZIL REPORT OF AN EXPERIENCE

Main Article Content

Rita de Cássia Gabrielli Souza Lima

Abstract

The article socializes a few sectoral bonds as managed in an experience of the Extension Project Antonio Gramsci: fostering the activist conception of education, of the University of Vale do Itajaí. The experience took place in 2016 with elderly people from the Community Center for the Elderly from Itaipava section of Itajaí city, Brazil, in partnership with workers of a local Health Primary Care Unit and of the Local Health Council. The testimonies were analyzed dialectically by means of the category “We want to dance again, and we appreciate plants”, while the narratives expressed a symbolic pain in view of the cut of municipal resources to guarantee the trips and balls that used to take place monthly and the willingness to make a community garden. The involved sectors recognized the extension program as an effective class and the locus to develop the praxis.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Lima, R. de C. (2018). HEALTH ACTIVIST EDUCATION FOR BRAZIL. International Journal for Innovation Education and Research, 6(7), 53-63. https://doi.org/10.31686/ijier.Vol6.Iss7.1092
Section
Articles

References

BRASIL. 1986. Anais da 8ª Conferência Nacional de Saúde. 1986. Disponível em: . Acessado em: 07 jul. 2018.

BRASIL. 1988. Constituição Federativa do Brasil. Disponível em: . Acessado em: 07 jul. 2018.

BRASIL. 1990. Lei n. 8.080, de 1990. Disponível em: . Acessado em: 07 jul. 2018.

BRASIL. 1994. Lei n. 8.842, de 04 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Disponível em: . Acessado em: 07 jul. 2018.

BRASIL. 1996. Decreto n. 1.948, de 3 de julho de 1996. Regulamenta a Lei n° 8.842, de 4 de janeiro de 1994, que dispõe sobre a Política Nacional do Idoso, e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d1948.htm>. Acessado em: 07 jul. 2018.

BRASIL. 2004. Relatório Final da 12ª Conferência Nacional de Saúde. Disponível em: . Acessado em: 07 jul. 2018.

BRASIL. 2006. Portaria nº 2.528 de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Disponível em: . Acessado em: 07 jul. 2018.

BRASIL. 2011. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica [...]. Disponível em: . Acessado em: 07 jul. 2018.

BRASIL. 2014. Expectativa de vida dos brasileiros sobe para 75,2 anos, diz IBGE. Disponível em: . Acessado em: 07 jul. 2018.

BRASIL. 2017. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível em: < http://www.foa.unesp.br/home/pos/ppgops/portaria-n-2436.pdf>. Acessado em: 07 jul. 2018.

CAMARANO, A. A.; PASINATO, M. T. 2004. O envelhecimento populacional na agenda das políticas pública. In: CAMARANO, A. A. (org.). Os novos idosos brasileiros muito além dos 60. Brasília: Ministério de Planejamento, Orçamento e Gestão, pp. 253-92.

COSTA, C. G. A. et al. (2015) Hortas comunitárias como atividade promotora de saúde: uma experiência em Unidades Básicas de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n. 10, pp. 3009-3110.

DA ROS, M. A. 2000. Fleck e os estilos de pensamento em saúde pública. Doutorado em Educação – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis.

ESCOREL S. 2014. Histórias das Políticas de Saúde no Brasil de 1964 a 1990: Do Golpe Militar à Reforma Sanitária. In: GIOVANELLA L.; ESCOREL S.; LOBATO L.V.C.; NORONHA J.C.; CARVALHO, A.I. Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil. 2ª ed. 2ª reimpressão. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, pp. 323-363.

GRACIA, E. 1997. El apoyo social en la intervención comunitaria. Barcelona, España: Paidós.

GRAMSCI, A. 2007. Quaderni del carcere. 1. ed. v. 1. Torino: Einaudi.

LIMA, R. C. G. S. et al. 2009. A construção do direito à saúde na Itália e no Brasil na perspectiva da bioética cotidiana. Saude soc., São Paulo, v.18, n.1.

LIMA, R. C. G. S. et al. 2016. Tutoria acadêmica do Projeto Mais Médicos para o Brasil em Santa Catarina: perspectiva ético-política. Ciênc. saúde coletiva, v. 21, n. 9, pp. 2797-2805.
MANACORDA, M. A. 2012. Antonio Gramsci: l´alternativa pedagogica. Roma: Riuniti.

PAIM, J. S. 2007. Reforma Sanitária: um estudo para compreensão e crítica. Doutorado em Saúde Pública – Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Universidade Federal da Bahia, Salvador.

PAIM, J.2012. O futuro do SUS. Cad. Saúde Pública, v. 28, n. 4, p. 612-613.

SAWAIA, B. B. 2006. O sofrimento ético-político como categoria de análise da dialética exclusão/inclusão. In: B. B. Sawaia. (Org.). As artimanhas da exclusão: Análise psicossocial e ética da desigualdade social (6a ed.). São Paulo: Vozes.

SMOLKA, A. L. B. 2000. O (im) próprio e o (im) pertinente na apropriação das práticas sociais. Cadernos Cedes, v. 50, n. 1, pp. 26-40.